Notícias

O que é melhor: ajudar ou deixar a floresta se regenerar sozinha?

Compartilhe:     |  27 de março de 2021

Em uma área recém-desmatada na Malásia, pesquisadores deixaram a mata se regenerar sozinha em um pedaço e, na outra parte, promoveram uma restauração ativa, plantando árvores e eliminando ervas e trepadeiras indesejadas. Ambas foram protegidas contra incêndios e, claro, desmatadores. Ao final de 20 anos, a mata plantada estava fixando 50% mais carbono do que a autorregenerada.

Os pesquisadores supõem que o principal motivo foi a baixa dispersão de sementes na primeira área. Ao desmatar as grandes árvores, reduz-se o número de animais grandes o suficiente para dispersar suas sementes, como antas e tucanos. Assim, as sementes alcançam poucos metros da árvore-mãe. Na área de regeneração natural, a densidade de grandes árvores foi bem menor do que na área plantada. Os resultados da pesquisa saíram na “Science” em 2020. Agora, os autores publicaram um artigo interessante a respeito na The Conversation.

O Inpe e a Universidade de Bristol estudaram a regeneração natural em lugares diferentes da Floresta Amazônica. Os pesquisadores mostraram que em áreas que sofreram queimadas ou que foram desmatadas repetidamente, o crescimento foi entre 20% a 55% menor do que em áreas menos destruídas. A importância da restauração florestal é cada vez maior dado seu papel de remoção do CO2 da atmosfera, e o desmatamento predatório é um duplo obstáculo à regeneração. O trabalho saiu na “Nature” e foi comentado na Science Daily.

Lembrando que a ONU declarou os dez anos entre 2021 e 2030 como a Década da Restauração.



Fonte: Revista Planeta



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Primeiros socorros: o que fazer quando o seu pet precisa de ajuda

Leia Mais