Notícias

O uso prolongado de chupeta pode provocar alterações como respiração bucal

Compartilhe:     |  28 de outubro de 2014

Quando tirar
Alguns especialistas defendem o uso da chupeta apenas até os seis primeiros meses de vida. Outros, aceitam o uso até os 2 anos. Depois disso, no entanto, a utilização é desencorajada. Quanto mais nova a criança for, mais fácil é acabar com o mau hábito.

O que observar
Para facilitar o processo, esteja atento ao que acalma seu filho: pode ser uma música, um colo, certa forma de conversar… Quanto mais conhecê-lo, maiores serão as chances de sucesso.

chupeta; menina (Foto: Lufe Gomes / Editora Globo)Como tirar
Para os bebês, a dica é substituir a chupeta gradualmente por outra peça ou atividade que supra o conforto e a segurança que ela oferece ao seu filho. Por exemplo: em vez de dar o objeto para acalmá-lo, tente conversar, cantar uma música, contar uma história, dar colo ou oferecer um paninho. Se ele tem o hábito de dormir com ela na boca, tire assim que pegar no sono, para evitar a sucção durante a noite inteira. E nada de pendurá-la na roupa da criança durante o dia, pois isso só incentiva o uso desnecessário. Ter mais de uma, de vários tipos e cores, uma para cada ocasião, também é desaconselhado pelos especialistas. E atenção: adiar a compra de uma chupeta nova pode desencorajar o uso, pois o bico desgastado é menos atrativo – só não dê caso o bico esteja “esfarelando”, pois é perigoso.

Se a criança já tiver mais de 2 anos e for capaz de compreender, converse e explique o que pode acontecer em decorrência do uso da chupeta (respirar mal, ter dentes tortos, apresentar dificuldade na mastigação etc.), ela costuma entender que não faz bem. Além disso, combine de diminuir o uso gradativamente, um pouco menos a cada dia. Estabeleça que em lugares públicos, por exemplo, ou na casa dos parentes não deve ser usada.  Depois, combine de usar só à noite, tirando a chupeta durante o dia, ou vice-versa. Tudo isso contribui para ela ir se acostumando com a ideia de que deve se separar do objeto.

Assim como a mamadeira, a chupeta pode ser “doada” a um bebê que “precise” ou entregue ao Papai Noel, para ganhar um presente. “Mas é preciso cautela para não fazer um leilão. Trocar a chupeta por uma viagem para a Disney, por exemplo, não é o ideal. O presente deve ter a mesma função que a chupeta, ou seja, deve trazer conforto, segurança e calma. Pode ser um urso de pelúcia ou um travesseiro fofo”, sugere Rita Calegari, psicóloga da Rede de Hospitais São Camilo (SP).

E cuidado para não tentar tirar a chupeta em um momento de instabilidade emocional da criança, como a chegada de um irmão ou a entrada na escola, pois será ainda mais difícil. Escolha uma fase da vida em que ela esteja tranquila e relaxada.

Quando pedir ajuda
Em geral, as crianças usam a chupeta como um consolo, um apoio emocional, até por volta dos 3 anos. As que estendem o uso até 5, 6, 7 anos, devem ter o contexto levado em conta: pode ser que essa criança seja mais sensível e tenha uma demanda afetiva maior que as demais. “Embora existam momentos mais propícios, cada criança é uma criança. Se ela for mais carente, acaba buscando na chupeta um alívio para os seus temores internos”, explica o psicólogo Armando Ribeiro, coordenador do programa de avaliação de estresse do Hospital Beneficência Portuguesa (SP). Para Rita, se ela resiste muito a abandonar o acessório, pode ser preciso investigar as causas, com a ajuda de um profissional, para entender os motivos. “Às vezes, trata-se de um problema familiar velado, que não está claro para todo mundo”, diz.



Fonte: Revista Crescer



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

5 coisas horríveis que você não sabia que aranhas podem fazer com você

Leia Mais