Notícias

O WWF calcula perdas anuais de 368 bilhões de libras no crescimento econômico do mundo

Compartilhe:     |  14 de fevereiro de 2020

O WWF calcula perdas anuais de 368 bilhões de libras no crescimento econômico do mundo até 2050, acarretadas pela destruição da natureza. No Brasil, as perdas são estimadas em 10,9 bilhões de libras por ano, o equivalente a R$ 61,7 bilhões. A seguir, informações divulgadas no jornal britânico The Guardian.

A destruição ambiental reduzirá em 368 bilhões de libras por ano o crescimento econômico global até 2050, de acordo com um estudo do World Wildlife Fund (WWF).

Sem uma ação urgente para proteger a natureza, a instituição alerta que o impacto mundial da erosão costeira, da perda de espécies e do declínio de ativos naturais – de florestas a atividades pesqueiras – poderá custar um total de quase 8 trilhões de libras nos próximos 30 anos.

Embora a perda corresponda a apenas 0,67% da renda global em 2050, a estimativa é conservadora e o total será provavelmente muito maior, caso áreas como a Antártida se deteriorem em um ritmo mais acelerado, causando maior aquecimento e aumento do nível do mar maior que o previsto.

O relatório Global Futures revela que a deterioração de habitats naturais, incluindo florestas, zonas úmidas e recifes de coral, prejudicará a sustentação de ecossistemas essenciais, reduzindo os estoques de peixes, a produção de madeira e a quantidade de polinizadores.

Em um dos primeiros exercícios desse gênero, o relatório afirma que o aumento do uso de combustíveis fósseis e a expansão da agricultura e do desenvolvimento urbano em paisagens anteriormente não utilizadas traria enormes custos financeiros associados a perdas de polinização, proteção costeira, abastecimento de água e carbono armazenado.

Também é provável que os preços globais de alimentos aumentem à medida que o setor agrícola é atingido pela perda da natureza, com os preços subindo cerca de 8% para a madeira, 6% para o algodão, 4% para as oleaginosas e 3% para as frutas e legumes até 2050.

Karen Ellis, diretora de economia sustentável do WWF, diz ao Guardian que as estimativas são “muito conservadoras” e que os governos devem esperar que o impacto da emergência climática seja muito maior.

“[O estudo] analisou apenas seis serviços de ecossistemas, então isso é quase certamente uma subestimação. Os custos reais são provavelmente muito maiores. Esta é a primeira tentativa de fazer uma avaliação tão abrangente, portanto é uma estimativa preliminar ”, diz ela.

Segundo a diretora, os autores não puderam fazer uma estimativa do custo das ações corretivas para reparar os danos aos ecossistemas, pois havia muitas variáveis, mas esse cálculo poderá ser possível em estudos futuros.

A maioria das avaliações de mudança climática até agora tem se concentrado nos investimentos necessários para mitigar um aumento nas temperaturas globais de 1,5 grau.

Relatório Stern, escrito pelo economista britânico Lord Nicholas Stern em 2006, constatou que o corte de emissões de carbono para limitar os aumentos de temperatura custaria 1% do PIB anualmente, mas ignorar a mudança climática pode causar danos econômicos até cerca de 20% do PIB.

O estudo da WWF, produzido em parceria com o Global Trade Analysis Project na Purdue University e o Natural Capital Project nos EUA, cobriu 140 países.

O Reino Unido pode ser um dos países mais atingidos, atrás apenas dos Estados Unidos e do Japão. As perdas anuais seriam equivalentes ao total de custos anuais com a polícia, os bombeiros, os presídios e os tribunais de justiça.

Perdas com a destruição na natureza, em bilhões de libras anuais

Os países mais afetados em termos de perda anual do PIB até 2050 (em %)

Leia aqui a reportagem originalmente publicada no The Guardian.



Fonte: Página 22



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

PETA quer banir o uso do termo “animal de estimação” por ser depreciativo para os animais

Leia Mais