Notícias

Óleo que sujou praias do Nordeste saiu de navio que passava em Pernambuco, diz pesquisador da UFPE

Compartilhe:     |  8 de outubro de 2019

Pesquisas feitas pelo Departamento de Oceanografia da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) apontam o local de origem do derramamento de óleo que sujou mais de 130 praias em todo o Nordeste . Segundo o professor Marcos Silva, a substância saiu de um navio que passava pelo litoral pernambucano.

O professor disse à TV Globo que os estudos levaram em conta a intensidade das correntes marinhas, a força e a direção dos ventos e das marés. Para ele, o óleo foi derramado quando a embarcação estava a uma distância de 40 a 50 quilômetros da costa.

“Muito provavelmente [partiu] do Litoral entre Pernambuco e Paraíba. Boa parte desse óleo se deslocou e atingiu o Litoral Norte do Nordeste, como Rio Grande do NorteCeará e Maranhão. E uma parte se dispersou pelo Litoral Sul, atingindo depois AlagoasSergipe e chegando à Bahia nos últimos dias”, afirma o professor.

Mancha de óleo é vista na Praia do Paiva, em Cabo de Santo Agostinho, Pernambuco — Foto: Diego Nigro/Reuters

Mancha de óleo é vista na Praia do Paiva, em Cabo de Santo Agostinho, Pernambuco — Foto: Diego Nigro/Reuters

Conforme o óleo passa mais tempo no mar, a densidade do material aumenta. “Ele vai se transformando, ficando de uma forma mais densa, que é esse material mais pesado que tempos visto nos últimos dias no Litoral Sul, principalmente em Sergipe e na Bahia”, afirma o professor.

Com a identificação do ponto do oceano em que o óleo começou a se alastrar, a nova etapa do trabalho consiste em checar a rota dos navios petroleiros e o material que cada um levava no fim de agosto, quando as manchas começaram a sujar as praias.

Na Capitania dos Portos de Pernambuco, o sistema de controle de tráfego de navios usa dados de satélite para localizar e identificar as embarcações que navegaram no litoral nordestino.

“O Centro Integrado de Segurança Marítima, o Cismar, está trabalhando para identificar os ventos, as correntes, os regimes de maré naquele período de agosto para identificar o causador desse acidente. Estamos atentos aos navios-tanque que transitaram pelo Nordeste”, diz o capitão dos Portos de Pernambuco, Maurício Bravo.

“Em Pernambuco, as informações são de que não tivemos novos eventos. Foram 19 praias identificadas com algum resíduo de óleo. Após o recolhimento, outros eventos não voltaram a ocorrer”, diz Bravo. Ainda não há um prazo definido para o término das investigações.

Presidente

Nesta segunda, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) se reuniu com ministros e comandantes das Forças Armadas para discutir o aparecimento de manchas de óleo em praias do Nordeste. O encontro aconteceu na sede do Ministério da Defesa.

Após a reunião, Bolsonaro disse a jornalistas que as manchas de óleo estão sendo “analisadas” desde 2 de setembro. Ele afirmou que trata-se de uma investigação “bastante complexa” e frisou que o óleo não é produzido e nem comercializado no Brasil.

Segundo o presidente, o aparecimento das manchas pode ter origem criminosa ou acidental. De acordo com ele, existe um país “no radar”, mas Bolsonaro não quis dizer qual.

No sábado (5), Bolsonaro determinou a investigação das causas e dos responsáveis. As investigações são conduzidas pela Polícia Federal, Ministério da Defesa, Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).

Apuração

O Ibama informou nesta segunda que vai fazer uma vistoria nos próximos dias para checar se as manchas de óleo que afetam o Litoral do Nordeste atingiram o Rio São Francisco, em Alagoas.

No fim de semana, o Ibama identificou uma mancha que vai desde a Praia do Pontal do Peba, em Piaçabuçu, até a alguns metros da margem da Foz do Rio São Francisco.

De acordo com o Ibama, a mancha chegou bem perto da Foz, a alguns metros da margem, mas somente com uma vistoria vai ser possível afirmar se a mancha atingiu o rio.



Fonte: G1 - Beatriz Castro



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Saiba como proceder em caso de envenenamento de cães e gatos

Leia Mais