Notícias

Ondas de calor prejudicam a reprodução de pássaros, diz estudo

Compartilhe:     |  6 de janeiro de 2019

A pesquisa mostrou que a ninhada tende a diminuir com temperaturas elevadas,

Biólogos da Universidade Lund, na Suécia, descobriram que ondas de calor, como a que ocorreu na Europa em 2018, afetam a reprodução dos pássaros. Os pesquisadores já sabiam que o clima quente de algumas regiões do planeta faz com que animais sejam menos ativos em momentos de temperatura mais severa.

“Se tivermos verões como o último, muitas espécies podem ser prejudicadas já que não conseguem cuidar de forma efetiva de sua prole”, apresentou o pesquisador da Universidade, Andreas Nord.

A pesquisa

Nord e seu companheiro de pesquisa Jan-Âke Nilsson descobriram, no início de 2018, que pequenos pássaros podem chegar à temperatura de 45ºC. Esse valor é 4ºC acima da temperatura normal desses animais.

A dupla, então, continuou o estudo para descobrir se a diminuição da temperatura corporal dos pássaros teria algum efeito em sua ninhada. Eles selecionaram pássaros selvagens e tosaram as penas da metade dos animais. Além disso, transmissores de localização foram implantados em todos eles.

Resultados

Ao final da época de reprodução, os pesquisadores capturaram o grupo e compararam as temperaturas. Aqueles que as penas tinham sido aparadas apresentaram uma temperatura mais baixa do que os outros animais.

Além disso, a ninhada dessa parte do grupo foi maior. Seus filhotes também eram mais pesados quando comparados aos descendentes daqueles que não foram tosados. “É importante saber o número da ninhada antes que eles saiam do ninho. O tamanho dela diz muito sobre as suas chances de sobrevivência e reprodução”, afirmou o pesquisador.

O estudo também mostrou que a temperatura corporal afeta a frequência com que os filhotes são alimentados. Os animais que conseguiam se livrar do excesso de temperatura não gastavam mais energia para alimentar sua prole com a mesma frequência da outra metade do grupo.

“Isso me surpreendeu, mas agora nos acreditamos que eles [com as penas tosadas] gastavam tempo e energia carregando mais comida em cada voo. Ou então procuravam mais intensamente por um tipo específico de alimento bom para os filhotes”, explicou Nord.

Os pesquisadores continuarão a investigar as especificidades da alimentação desses animais em relação ao aumento da temperatura.



Fonte: Anda - Ana Laura Essi



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Colecionadores de fãs, os siameses são inteligentes, comunicativos e brincalhões. Conheça curiosidades da raça

Leia Mais