Notícias

ONG irá lançar satélite para rastrear emissões de gases de efeito estufa

Compartilhe:     |  17 de janeiro de 2019

A EDF anunciou seus planos de desenvolvimento do satélite como parte de um esforço maior para o melhor rastreamento dos gases de efeito estufa.

A organização sem fins lucrativos Environmental Defense Fund (EDF) concedeu a duas empresas um total de 1,5 milhão de dólares em contratos para projetar um satélite que monitorará as emissões de gás metano em todo o mundo. A EDF anunciou em 10 de janeiro que as empresas competirão para oferecer o melhor projeto para o satélite, chamado MethaneSAT.

O MethaneSAT irá monitorar as emissões de metano geradas por seres humanos em todo o mundo. As duas empresas escolhidas – Ball Aerospace e SSL – continuarão desenvolvendo planos para o satélite. Quando seus projetos estiverem completos, a EDF escolherá uma das duas empresas para construir a nave, que será lançada em 2021.

A EDF anunciou seus planos de desenvolvimento do satélite em abril de 2018, como parte de um esforço maior para o melhor rastreamento dos gases de efeito estufa. O metano é cerca de 30 vezes mais capaz de capturar calor do que o dióxido de carbono, por isso é particularmente potente. Espera-se que o melhor rastreamento leve a novas formas de diminuir ou lidar com as emissões de gases de efeito estufa.

“Isso vai aumentar muito a nossa capacidade de monitorar as emissões de metano das atividades humanas em escala global”, disse Steven Hamburg, cientista-chefe do projeto MethaneSAT. Como o satélite coletaria dados sobre a produção de metano em todo o mundo, esses dados poderiam ser usados para descobrir quem é responsável pela geração do metano e quais medidas podem ser necessárias para diminuir essas emissões, diz ele.

Sabemos que as operações de petróleo e gás, assim como a agricultura, produzem grandes quantidades de metano, mas esse satélite será capaz de coletar dados concretos para mostrar exatamente o quanto está sendo produzido e onde.

“A noção de que poderemos ver as emissões em uma escala relevante para a mitigação eficaz pode ser um divisor de águas para as reduções globais de gases de efeito estufa”, disse Hamburg.

Além disso, Hamburg disse que desde que o satélite será financiado pelo setor privado, o que fará o processo se mobilize mais rapidamente do que se fosse desenvolvido com financiamento do governo.



Fonte: ANDA - Yasmin Ribeiro



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Colecionadores de fãs, os siameses são inteligentes, comunicativos e brincalhões. Conheça curiosidades da raça

Leia Mais