Notícias

ONGs contestam exploração de petróleo em áreas ricas em biodiversidade

Compartilhe:     |  6 de fevereiro de 2021

Caso essas regiões sejam vendidas para a exploração de petróleo, muitos animais serão colocados sob risco, inclusive espécies ameaçadas de extinção

O Observatório de Petróleo e Gás, o Instituto Internacional Arayara e o Instituto Coesus se posicionaram contra a oferta de áreas petrolíferas em regiões brasileiras ricas em biodiversidade e ameaçaram acionar a Justiça. As entidades ambientalistas denunciam que o leilão agendado para outubro pelo governo não inclui avaliação ambiental integrada e ignora recomendações do Ibama e do ICMBio.

As ONGs afirmam ainda que existe a possibilidade de litígio, o que poderia gerar insegurança jurídica para os compradores. Com base nesses argumentos, as instituições pediram, em reunião realizada na última quarta-feira (3) pela Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis (ANP), a retirada das áreas do leilão.

Os questionamentos se referem às bacias de Potiguar e Pelotas. Caso essas regiões sejam vendidas para a exploração de petróleo, muitos animais serão colocados sob risco, inclusive espécies ameaçadas de extinção, que podem desaparecer definitivamente, como baleias e tartarugas.

Em relação aos blocos localizados no Rio Grande do Norte, a situação é ainda mais problemática. Isso porque eles ficam perto da Reserva Biológica do Atol das Rocas e do Parque Nacional Fernando de Noronha, que seriam severamente prejudicados não só pela exploração do petróleo, como por possíveis derramamentos da substância no mar.

O leilão seria realizado no ano passado, mas foi adiado para outubro de 2021 por conta da pandemia de coronavírus. O objetivo da ANP é oferecer 92 blocos, sendo 50 na bacia de Pelotas e 14 no Rio Grande do Norte, sem avaliação ambiental prévia.

Para isso, a ANP defende argumentos dos ministérios de Minas e Energia e do Meio Ambiente que afirmam que a ausência de avaliações ambientais “não compromete os aspectos de proteção ambiental e segurança operacional, já que há instrumentos que obrigam as empresas a implementar medidas preventivas e de mitigação de impactos”.



Fonte: Anda



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Alimentação natural para cães: dicas e cuidados

Leia Mais