Notícias

ONU afirma que o consumo de carne é o problema mais urgente do mundo

Compartilhe:     |  20 de dezembro de 2018

De acordo uma pesquisa realizada pela IIASA, se todos se tornassem veganos, as emissões de gases de efeito estufa seriam reduzidas em 50% até 2050.

Uma mudança global do consumo de carne e laticínios para alimentos à base de vegetais pode reduzir as emissões agrícolas pela metade até 2050, segundo uma nova pesquisa. O estudo foi conduzido pelo Instituto Internacional para Análise de Sistemas Aplicados (IIASA) e foi a primeira análise detalhada da mitigação agrícola não-CO2.

O setor agropecuário é o maior responsável pelas emissões de gases de efeito estufa no mundo, gerando mais emissões do que todos os meios de transporte juntos. Além do dióxido de carbono, as vacas produzem 567 bilhões de litros de gás metano por dia.

Esforços somente no setor agrícola poderiam reduzir as emissões de metano e óxido nitroso até 15% nos próximos 30 anos. E se as pessoas em países “extra-consumistas” fizerem mudanças em suas dietas, as emissões totais poderão cair mais 23%, explica um comunicado de imprensa.

Essas mudanças fariam contribuições significativas para a meta de estabilização climática de 1,5°C em todos os setores da economia. De todos os gases de efeito estufa causados pelo homem, as emissões de metano e óxido nitroso da agricultura representam de 10% a 12%.

Essa porcentagem está crescendo (as emissões aumentaram um terço desde 1990), em parte devido ao aumento do número de animais na indústria. O relatório acrescenta que essas emissões devem ser reduzidas se o planeta quiser atingir a meta climática de 1,5°C ditada pelo Acordo de Paris.

A urgência da questão tornou-se mais evidente nos últimos anos. As Nações Unidas declararam em outubro passado que os governos devem fazer “mudanças inéditas” em todas as áreas da sociedade para impedir desastres causados pelo aquecimento global, como incêndios florestais, enchentes e secas.

A carne foi chamada de “o problema mais urgente do mundo”, já que o consumo de carne “nos levou à beira da catástrofe”, disse o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) em um comunicado.

A equipe do IIASA recomendou soluções para ajudar a reduzir essas emissões, como suplementos de ração animal para melhorar a digestibilidade dos alimentos, e afirmou que os legisladores devem monitorar a produção.

No entanto, a equipe de pesquisa também afirma que a redução do consumo de produtos de origem animal é uma rota eficaz em direção a um planeta mais saudável.

A noção é espelhada em uma análise de produção de alimentos concluída por pesquisadores de Oxford no início deste ano. Os pesquisadores avaliaram os danos que a produção de alimentos tem no planeta, do uso da terra, uso da água, poluição do ar, poluição da água e emissões de carbono. Após o estudo, os pesquisadores afirmaram que tornar-se vegano é “a maior e melhor maneira de reduzir seu impacto no planeta Terra.”



Fonte: ANDA - Yasmin Ribeiro



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Medicamentos e remédios caseiros: o que fazer e o que não fazer?

Leia Mais