Notícias

Os hábitos que você vai levar para seu “novo normal” com os filhos

Compartilhe:     |  16 de junho de 2020

Antes de começar, talvez você não tenha percebido, mas não fizemos a coluna do mês de Maio aqui para a Crescer. Pois é. Até para a gente, que sempre estamos conectadas com o equilíbrio, em aproveitarmos os benefícios do brincar para harmonizar nosso relacionamento com os filhos, foi duro.

Entretanto, o mês foi ótimo para amadurecer em nossas próprias realidades, o tema desta coluna. De junho. 90 dias depois do primeiro dia em que ficamos em casa. Ainda com muitas incertezas sobre datas de retorno ou sobre como será o “novo normal”, como as pessoas estão chamando.

E eu acho isso ótimo! Sabe por quê? Porque a gente pode escolher. E momentos de escolha são momentos ricos de auto-conhecimento, de revisão de valores e de mudanças.

Nosso convite, então, é para você não se importar tanto com as mudanças que virão de fora. Mas com aquelas que você pode fazer de dentro.

E com foco nos nossos filhos. Eles, que neste período estiveram lado a lado conosco. Compartilhando as mudanças, as incertezas. Acompanhando e sentindo nossa angústia e estresse. Nossos filhos, que num mesmo dia nos causam orgulho, raiva, felicidade, tristeza. Tudo junto e misturado.

Hábitos que vocês merecem que continue

Você precisou se organizar para passar mais tempo com seus filhos em casa. Certamente precisou de dicas de brincadeiras, de formas de lidar com as telas, de mantê-los ativos e, ao mesmo tempo, quietos.

Você precisou se desculpar nas chamadas de trabalho porque eles insistiam em aparecer na tela. Reorganizou horários para acompanhar a escola. Deu mais autonomia, mais responsabilidades para seu pequeno.

Você mudou a casa, permitiu mais bagunça, trocou móveis do lugar e teve a ajuda deles para compartilhar as tarefas do dia a dia.

Então, antes de sair dando “graças a Deus” que seus filhos voltarão à escola, que você retornará ao trabalho fora de casa, ao trânsito de todos

os dias, que seu tempo com eles será “finalmente” menor, reflita sobre o que valeu à pena e que merece ser mantido.

Quantas brincadeiras novas? Risos juntos? Jogos juntos? Quanta bagunça juntos? Quantas vezes seu filho te olhou feliz porque você estava lá por ele? Quantas vezes você percebeu que não conhecia tão bem seu filho, como você conhece agora?

E a minha esperança é que você perceba que tem muitos novos hábitos, como o brincar, o tempo junto, o ser mais leve com regras bobas, podem e devem durar, mesmo depois que o “novo normal” se estabeleça. Quem segue o Tempojunto, por exemplo, vai continuar vendo meus filhos aparecendo na câmera. Tanto nos papos com vocês, quanto em reuniões de trabalho. Ganhamos este direito. Qual direito você e seus filhos ganharam?



Fonte: Revista Crescer



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Gatos: dicas de cientistas para cuidar bem do seu pet

Leia Mais