Notícias

Para zerar emissões, bicicletas são mais importantes do que carros elétricos

Compartilhe:     |  13 de abril de 2021

Professor da Universidade de Oxford afirma que o foco em veículos elétricos desacelera a corrida para emissões zero nas cidades

O combate às mudanças climáticas passa por escolhas mais sustentáveis de transporte e, neste sentido, os carros elétricos têm ganhado destaque como uma solução. Inúmeras montadoras anunciam a substituição da frota por modelos elétricos e muitas pessoas compram esta ideia e estes veículos.

No entanto, os carros elétricos não são a resposta que precisamos. Não com a urgência que precisamos. É isso que Christian Brandprofessor Associado em Transporte, Energia e Meio Ambiente, Unidade de Estudos de Transporte da Universidade de Oxford, explica em seu artigo recente, que traduzimos a seguir.

Para ele, “focar apenas em veículos elétricos está desacelerando a corrida para emissões zero”. Os dados do estudo conduzido pelo professor se referem à países da Europa, com destaque para o Reino Unido, mas podem ser usados como base para o impacto ambiental e social que a ciclomobilidade tem em países de todo o mundo.

Veja o que diz o especialista:

“Globalmente, apenas um em cada 50 carros novos era totalmente elétrico em 2020 e um em 14 no Reino Unido. Parece impressionante, mas mesmo que todos os carros novos fossem elétricos agora, ainda levaria de 15 a 20 anos para substituir a frota mundial de carros movidos a combustível fóssil.

A economia de emissões com a substituição de todos os motores de combustão interna por alternativas com zero de carbono não será alimentada com rapidez suficiente para fazer a diferença necessária no tempo que podemos poupar: os próximos cinco anos

Enfrentar as crises de poluição do clima e do ar exige a redução de todos os transportes motorizados, especialmente os carros particulares, o mais rápido possível. Focar apenas em veículos elétricos está desacelerando a corrida para emissões zero .

Em parte, isso ocorre porque os carros elétricos não são realmente carbono zero – minerar a matéria-prima para suas baterias, fabricá-las e gerar a eletricidade com a qual funcionam produz emissões.

Volvo Cars
Carros elétricos não são neutros em carbono. Foto: Divulgação | Volvo

Transporte é um dos setores mais desafiadores para descarbonizar devido ao uso pesado de combustível fóssil e dependência de infraestrutura intensiva em carbono – como estradas, aeroportos e os próprios veículos – e a forma como incorpora estilos de vida dependentes de automóveis

Uma maneira de reduzir as emissões de transporte de forma relativamente rápida, e potencialmente global , é trocar os carros por bicicletas, e-biking e caminhadas – viagens ativas, como são chamadas.

Viajar ativo é mais barato, mais saudável, melhor para o meio ambiente e não é mais lento em ruas urbanas congestionadas. Então, quanto carbono ele pode economizar diariamente? E qual é o seu papel na redução das emissões do transporte em geral?

Em uma nova pesquisa , meus colegas e eu revelamos que as pessoas que caminham ou andam de bicicleta têm menor pegada de carbono das viagens diárias, inclusive em cidades onde muitas pessoas já fazem isso. Apesar do fato de que algumas caminhadas e passeios de bicicleta se somarem a viagens motorizadas em vez de substituí-las, mais pessoas mudando para viagens ativas ajudaria a reduzir as emissões de carbono do transporte em uma base diária.

Que diferença uma viagem faz

Observamos cerca de 4 mil pessoas vivendo em Londres, Antuérpia, Barcelona, ​​Viena, Orebro, Roma e Zurique. Durante um período de dois anos, nossos participantes completaram 10 mil entradas nos diários de viagem que serviram como registros de todas as viagens que fizeram a cada dia, seja indo para o trabalho de trem, levando as crianças para a escola de carro ou andando de ônibus para a cidade. Para cada viagem, calculamos a pegada de carbono.

Surpreendentemente, as pessoas que pedalaram diariamente tiveram 84% menos emissões de carbono em todas as suas viagens diárias do que aquelas que não o fizeram.

observatório da bicicleta
Foto: Pixabay

Também descobrimos que a pessoa média que trocou de carro por bicicleta por apenas um dia por semana reduziu sua pegada de carbono em 3,2 kg de CO₂ – equivalente às emissões de dirigir um carro por 10 km, comer uma porção de cordeiro ou chocolate , ou enviar 800 emails .

Quando comparamos o ciclo de vida de cada modo de viagem, levando em consideração o carbono gerado ao fabricar o veículo, abastecê-lo e descartá-lo, descobrimos que as emissões do ciclismo podem ser mais de 30 vezes menores para cada viagem do que dirigir um combustível fóssil carro, e cerca de dez vezes menor do que dirigir um elétrico.

Também estimamos que os residentes urbanos que deixaram de dirigir para andar de bicicleta por apenas uma viagem por dia reduziram sua pegada de carbono em cerca de meia tonelada de CO₂ ao longo de um ano e economizaram as emissões equivalentes de um voo de ida de Londres para Nova york. 

Se apenas um em cada cinco residentes urbanos mudasse permanentemente seu comportamento de viagem dessa forma nos próximos anos, isso reduziria as emissões de todas as viagens de carro na Europa em cerca de 8%.

Transporte na pandemia

Quase metade da queda nas emissões diárias de carbono durante os bloqueios globais em 2020 veio de reduções nas emissões de transporte. A pandemia forçou países em todo o mundo a se adaptarem para reduzir a propagação do vírus. 

No Reino Unido, caminhadas e ciclismo foram os grandes vencedores, com um aumento de 20% no número de pessoas que caminham regularmente, e os níveis de ciclismo aumentaram 9% durante a semana e 58% nos fins de semana em comparação com os níveis pré-pandêmicos. Isso apesar dos ciclistas serem muito propensos a trabalhar em casa .

As viagens ativas oferecem uma alternativa aos carros e garantem o distanciamento social. Andar ou pedalar ajudou as pessoas a se manterem seguras durante a pandemia e poderia ajudar a reduzir as emissões à medida que o confinamento fosse abrandado, principalmente porque os altos preços de alguns veículos elétricos provavelmente afastarão muitos compradores em potencial.

Então a corrida começou. As viagens ativas podem contribuir para enfrentar a emergência climática mais cedo do que os veículos elétricos, ao mesmo tempo em que fornecem transporte acessível, confiável, limpo, saudável e que acaba com o congestionamento.”



Fonte: CicloVivo



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

O pet precisa de suplementação alimentar equilibrada

Leia Mais