Notícias

Partículas cósmicas são encontradas no telhado das casas

Compartilhe:     |  17 de dezembro de 2016

Há muito tempo se sabe que a poeira cósmica desce atmosfera abaixo, não necessariamente se queimado na entrada como ocorre com os pedregulhos maiores – ou mesmo sendo resultado da explosão desses corpos maiores.

O grande problema é separar a poeira cósmica da poeira terrestre. Até agora, os cientistas têm feito isto na Antártica, onde a atmosfera é mais limpa e os grãos são conservados intactos no gelo há centenas ou milhares de anos.

Agora, pela primeira vez, uma equipe do Imperial College de Londres demonstrou que é possível identificar e separar a poeira cósmica até mesmo nos telhados das casas das grandes cidades – eles demonstraram sua técnica em Paris (França), Berlim (Alemanha) e Oslo (Noruega).

“A vantagem óbvia para esta nova abordagem é que é muito mais fácil rastrear a origem das partículas cósmicas se elas estiverem em nosso quintal,” disse o pesquisador Matthew Genge.

Poeira cósmica veloz

A técnica mostrou também outra vantagem inesperada: as partículas cósmicas encontradas são bem maiores do que as coletadas até agora na Antártica.

Enquanto a poeira incrustada no gelo antártico tem grãos na faixa de 0,01 milímetro, a poeira cósmica urbana tem grãos na faixa de 0,3 milímetro. Elas também apresentam uma cristalização diferente das partículas muito mais antigas da Antártica.

As diferenças podem estar ligadas a mudanças nas órbitas da Terra e de Marte, por exemplo, ao longo de milhões de anos, especula Genge. Distúrbios gravitacionais resultantes dessas mudanças podem ter influenciado a trajetória das partículas à medida que elas avançavam pelo espaço, o que pode ter gerado um efeito sobre a velocidade com que elas atingem a atmosfera da Terra.

“Esta descoberta é importante porque, como analisamos a poeira cósmica fóssil coletada de rochas antigas para reconstruir uma história geológica do nosso Sistema Solar, então precisamos entender como essa poeira é alterada pela atração contínua dos planetas,” disse ele.

A análise da cristalização exterior das partículas mostrou que elas devem ter entrado na atmosfera terrestre a uma velocidade de 12 km/s, o que torna a poeira cósmica urbana as partículas mais velozes já encontradas na Terra.



Fonte: Inovação Tecnológica



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Colecionadores de fãs, os siameses são inteligentes, comunicativos e brincalhões. Conheça curiosidades da raça

Leia Mais