Notícias

Patinetes elétricos poluem mais o ambiente do que andar de carro e moto, diz estudo

Compartilhe:     |  21 de agosto de 2019

São menores do que uma bicicleta, a maioria pode ser dobrada e consomem pouca energia. Os patinetes elétricos parecem ser a alternativa perfeita para se conseguir uma mobilidade sustentável nas cidades. Um estudo recente, entretanto, elaborado pela Universidade da Carolina do Norte e publicado pela revista Environmental Research Letters, alerta que esses veículos de mobilidade pessoal (VMP) podem produzir um grande impacto no meio ambiente.

Utilizando como objeto de estudo as empresas de aluguel de patinetes elétricos Lime e Bird na cidade de Raleigh (capital da Carolina do Norte), os pesquisadores descobriram que a vida dos VMP era muito inferior à designada pelos fabricantes: dois anos. Seu uso malfeito e o vandalismofazem com que os patinetes não durem mais de dois meses nas ruas. O que isso significa? A fabricação de mais unidades. E é aqui onde aparecem os problemas ambientais.

No caso dessas duas empresas – que também operam na Espanha e no Brasil, no caso da Lime –, os patinetes elétricos são fabricados na China e transportados aos Estados Unidos em diferentes meios de transporte poluentes como avião, barco e caminhão, como revela o estudo. Além disso, fabricar novas unidades significa a extração de mais matérias-primas como o alumínio, do qual são feitos.

Mas o impacto ambiental desses pequenos veículos de aluguel não termina aí. O estudo também explora o processo de recarga dos patinetes elétricos realizado por trabalhadores terceirizados – conhecidos como juicers echargers – com seus próprios veículos, dirigindo pela cidade todas as noites para recolher os patinetes, levá-los para sua casa, carregá-los e distribui-los novamente pelas ruas para seu uso na manhã seguinte.

Os pesquisadores calcularam as emissões de CO2 utilizadas para fabricar, enviar, carregar e transportar – dentro da cidade – esses VMP, comparando o resultado total em milhas por pessoa com as emissões de outros meios de transporte. Qual foi o resultado? Os patinetes elétricos poluem mais do que um ônibus público com passageiros a bordo, um ciclomotor elétrico, uma bicicleta elétrica e uma bicicleta normal.

Através de um comunicado de imprensa, a empresa Lime respondeu ao estudo: “Agradecemos a pesquisa sobre os benefícios ambientais das novas opções de mobilidade; esse estudo, entretanto, se baseia em grande medida em suposições e dados incompletos que produzem uma grande variabilidade nos resultados. Acreditamos que a micromobilidade reduzirá a poluição e mitigará a mudança climática”.

Um homem recolhe patinetes jogados na água em Marselha.
Um homem recolhe patinetes jogados na água em Marselha.

Ainda não foi feito um estudo parecido na Espanha nem no Brasil, onde esse meio de transporte se tornou febre nos últimos meses, mas pela analogia de uso dos patinetes elétricos de aluguel, para Adrián Fernández, coordenador de mobilidade do Greenpeace Espanha, “as conclusões são perfeitamente aplicáveis a nosso país”.

“O ciclo de vida é o mesmo, de modo que o impacto ambiental é o mesmo, as próprias empresas citadas no estudo operam em cidades como Madri e Barcelona”, diz a Verne pelo telefone. Somente na capital espanhola, operam atualmente 19 empresas de aluguel de patinete elétrico com um total de 8.236 patinetes distribuídos pelos diferentes bairros da cidade.

Fernández vai além e lembra que essas emissões poderiam ser justificadas se os VMP de aluguel substituíssem os carros. “Mas vemos que não é assim, a maioria dos usuários vem do transporte público e antes faziam esses mesmos trajetos andando”, diz.

O Barômetro do Ciclista Urbano em Barcelona, elaborado pelo RACC (Real Automóvel Clube da Catalunha) e publicado em julho, diz que o uso dos VMP se multiplicou quase por quatro de um ano para cá. Dos usuários, a metade antes fazia uma mobilidade ativa (a pé e de bicicleta), enquanto um em cada dez usava carro e moto. “Os crescimentos são altos porque se parte do zero, como acontecia antes com as bicicletas. Ainda que esse estudo não diferencie os usuários de patinetes elétricos de aluguel dos de uso privado”.

Essa diferenciação é feita por um estudo realizado pela Fundação Mapfre em várias cidades espanholas (Madri, Barcelona, Valência, Sevilha, Málaga, Vitoria, Cáceres, Gandía e Benidorm) e publicado no começo do ano que aponta que “o usuário de VMP é majoritariamente homem (61% contra 39% de mulheres), de idade média 37 anos e 85% são proprietários do veículo”. E acrescenta que “75% o utiliza todos os dias como meio de transporte para ir ao trabalho e meio de transporte geral”.

“Seja de aluguel e uso privado, se capta pedestres está consolidando uma forma limpa de se mover, mas não consegue o objetivo principal que é reduzir os carros na cidade”, diz Fernández.

O estudo da Universidade da Carolina do Norte também reúne as respostas dos usuários de VMP de Raleigh que foram perguntados que opção escolheriam se não existissem patinetes elétricos disponíveis. Quase 50% respondeu que iria andando e de bicicleta, 34% usaria seu próprio carro e um serviço VTC, 11% iria de ônibus e 7% não faria a viagem nesse caso.

A publicação não critica somente o impacto ambiental dos VMP, também traz uma série de recomendações às empresas e às cidades onde operam como eliminar a retirada de patinetes que não estão totalmente descarregados; agilizar seu processo de retirada e redistribuição para que os juicers e chargers não fiquem dando voltas pela cidade e incentivar o uso de veículos de emissões zero para isso; e estabelecer políticas contra o vandalismo para prolongar a vida dos patinetes, evitando assim novas fabricações.

Patinetes elétricos estacionados na Praça da Ópera de Madri.
Patinetes elétricos estacionados na Praça da Ópera de Madri.

“No caso da legislação para deter o vandalismo, é complicado que cidades como Madri, em que os patinetes elétricos estão sendo um enorme quebra-cabeças, a Prefeitura intervenha, principalmente porque não é um serviço público como o é o BiciMAD, por exemplo”, diz Fernández.

“As outras recomendações parecem razoáveis, as empresas devem melhorar os critérios de retirada e redistribuição que até agora não estão levando em consideração as necessidades de mobilidade dos moradores, e sim as dos turistas, deixando os patinetes majoritariamente no centro da capital, em ruas como a Gran Vía e Fuencarral”, acrescenta.

O coordenador de mobilidade do Greenpeace Espanha acha que “a má gestão das empresas e a falta de uma regulamentação estatal estão causando um mal-estar generalizado sobre os patinetes elétricos, também os de uso privado, freando seu potencial”.

“O patinete elétrico poderia ser útil à mobilidade das cidades, cumprir seu papel dentro desse esquema que é cada vez mais variado. Mas é evidente que o modelo atual dos patinetes de aluguel não responde à essa necessidade e, além disso, está causando novos problemas como os ambientais descritos no estudo”, conclui.



Fonte: EL PAÍS - MARTA VILLENA



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Como restaurar o equilíbrio intestinal de cães e gatos

Leia Mais