Notícias

Paulistanos criam abelhas sem ferrão como animais de estimação

Compartilhe:     |  23 de abril de 2021

Jataí, mandaçaia, mirim… Esses são nomes de abelhas nativas, cada vez mais familiares para um grupo de moradores da cidade. Ainda que diversas espécies, todas sem ferrão, se adaptem a áreas urbanas sem esforço do homem — instalam-se em postes e árvores ocas ou em buracos de muros, por exemplo —, esses criadores cuidam dos insetos em casa, como se fossem animais de estimação. Ao mesmo tempo que ajudam a preservar as espécies, de papel fundamental na polinização de plantas, colaboram para o equilíbrio do meio ambiente.

Isabel Tas Abelhas© Clayton Vieira/Veja SP/Arquivo Pessoal/Divulgação Isabel Tas Abelhas

“As abelhas promovem uma mudança no comportamento das pessoas que vivem nas metrópoles. Trazem uma consciência maior sobre nosso ecossistema natural”, acredita o biólogo Cristiano Menezes, pesquisador da Embrapa Meio Ambiente e membro do comitê científico da Associação Brasileira de Estudos das Abelhas (A.B.E.L.H.A).

“O contato com a terra e com os insetos me faz voltar às origens. Eu me tornei um roceiro urbano”, brinca o apresentador Marcelo Tas, paulista de Ituverava, que desde agosto cria jataís. “Para a melhor alimentação delas, troquei as plantas e flores por opções nativas”, diz Tas, que usa o telhado verde de seu estúdio no Jardim Paulistano.

Cuidar dessas espécies é simples. Para começar, obtém-se uma caixinha com uma colônia com algum criador. Mas é preciso atenção a uma nova legislação. Em fevereiro, a Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente (Sima) do estado passou a regular a criação no Sistema Integrado de Gestão de Fauna Silvestre (GeFau).

“É obrigatório o cadastramento até 19 de agosto. Pelo cenário de pandemia, estamos dispostos a prorrogar o prazo”, afirma Sérgio Marçon, coordenador de Fiscalização e Biodiversidade. Para obter a autorização, mesmo sem motivo comercial, é necessário passar o nome da espécie, o comprovante de endereço com coordenadas da instalação do meliponário (local onde fica a colmeia) e documentação pessoal. Desde a entrada do sistema no ar, em 9 de março, até o dia 31 de março, há cinquenta registros.

O chef Alex Atala, do D.O.M. e do Dalva e Dito, se dedica a três colmeias no quintal de sua casa, no Sumaré. “As abelhas ajudam na polinização das minhas orquídeas”, conta o cozinheiro, que também reforça o papel educativo que os insetos tiveram para os filhos. “Eles cresceram entendendo o funcionamento de uma colmeia, a diferença dos méis e pólen. É lúdico.” Para expandir o teor pedagógico, ele pôs na frente do Dalva e Dito uma colmeia de jataís. “As pessoas param para ver.”

Ainda que muitas dessas espécies produzam méis saborosos (veja dois exemplos de receitas abaixo), mais fluidos e de toque ácido, em comparação com os das abelhas africanizadas, com ferrão e as mais usadas comercialmente, a criação não é necessariamente para obter o produto.

“Ainda não tenho um melgueiro (área da caixa onde ficam os favos) e não sei se quero ter”, afirma a cantora e compositora Isabel Lenza. Desde o início da quarentena, ela mantém jataís e mandaçaias no jardim de casa, na Vila Madalena. “Foi louco observar a aglomeração diária delas, indo na mão contrária do que estava acontecendo na humanidade”, observa.

O pesquisador de sustentabilidade Celso Barbiéri conseguiu uma façanha: mantém três colônias, de jataí, mandaçaia e mirim, em seu apartamento de 55 metros quadrados, sem sacada, no Ipiranga. “Os vizinhos não têm medo. Até apoiam”, garante. Elas ficam em caixas colocadas ao lado de janelas basculantes, ligadas ao exterior por canos de PVC, pelos quais os insetos podem transitar livremente.

Mas, mesmo sendo as abelhas animais independentes, o cuidado com a alimentação delas não deve ser deixado de lado. Em estações do ano com pouca floração, Barbiéri recomenda um reforço energético com xarope de água e açúcar.

Presidente da SOS Abelhas sem FerrãoGerson Luiz Pinheiro recomenda que os donos estudem sobre as espécies. “As pessoas devem entender os ciclos naturais delas, plantar cada vez mais e usar menos venenos”, afirma.

Enquanto grande parte dos criadores trata as abelhas como bichinhos de estimação, sem extrair o mel, há quem encontre nas colmeias uma atividade econômica. Morador de Parelheiros, no extremo sul da capital, o designer gráfico Carlos Barrichello é um dos sócios da Beeliving, marca de méis de onze espécies sem ferrão.

Pelo site beeliving.com.br, se adquirem produtos, por exemplo, de uruçu amarela e mandaguari, de seu sítio com uma área de mata atlântica preservada. Barrichello vende também méis vindos de outros biomas. “Com o processo desde a colheita dos produtos até a colocação no frasco com rótulo, é impossível não se atentar à preservação das abelhas”, diz. “Esse cuidado é essencial.”

No prato e no copo

O mel produzido por abelhas nativas criadas por especialistas pode ter fins gastronômicos. O pão de mel do Evvai, feito com os produtos da Mbee, de jataí, vem com distintas texturas do ingrediente principal: creme, gel e favo, além de chocolate. Essa é uma indicação do editor-sênior Arnaldo Lorençato. O repórter de bares Saulo Yassuda recomenda o drinque suburbano, do Jiquitaia. O mel de mandaçaia de um produtor do litoral do Paraná adoça a mistura de cachaça, Cynar 70, limão e ginger ale.



Fonte: MSN - Veja São Paulo - Gabriela Amorim



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Lei que proíbe piercings e tatuagens em animais é sancionada no Distrito Federal

Leia Mais