Notícias

Peixes ‘fósseis vivos’ podem viver por até um século, de acordo com um novo estudo

Compartilhe:     |  18 de junho de 2021

Um peixe “fóssil vivo” pode viver por um tempo impressionantemente longo – talvez até um século, de acordo com um novo estudo.

Acreditava-se que o celacanto tivesse uma vida útil de cerca de 20 anos, mas novas estimativas sugerem que seja um centenário do oceano, ao lado dos tubarões.

Pesquisadores franceses estudaram marcas nas escamas de espécimes de museu – da mesma forma que os anéis das árvores indicam a idade das árvores.

Eles acreditam que o peixe se reproduz apenas no final da meia-idade e pode ficar grávida por até cinco anos.

Os peixes de crescimento lento que produzem poucos jovens são particularmente vulneráveis ​​às pressões de extinção, como mudanças climáticas e pesca excessiva.

Conhecer a história de vida do celacanto pode ajudar a impor medidas de proteção e conservação ainda mais fortes, disse o Dr. Bruno Ernande, da Universidade de Montpellier, França.

“Uma estrutura muito importante para medidas de conservação é ser capaz de avaliar a demografia das espécies”, disse ele à BBC News. “Com essas novas informações, poderemos avaliá-las melhor.”

Os celacantos são encontrados ao longo da costa da Indonésia e no Oceano Índico. Fonte: Getty Images.
Os celacantos são encontrados ao longo da costa da Indonésia e no Oceano Índico. Fonte: Getty Images.

O celacanto foi considerado por muito tempo como extinto, até que apareceu em uma rede de pesca na África do Sul em 1938.

Posteriormente, foram descobertas duas populações vivendo na costa oriental da África e outra na costa de Sulawesi, na Indonésia.

A população africana é classificada como criticamente em perigo, possivelmente com apenas algumas centenas de indivíduos restantes.

“[O] celacanto parece ter uma das, senão a mais lenta, histórias de vida entre os peixes marinhos, e perto das dos tubarões e valentões do fundo do mar”, disse Kélig Mahé da Unidade de Pesquisa Pesqueira do Mar do Norte em Bolonha-do-Mar, França.

“Nossos resultados, portanto, sugerem que ele pode estar ainda mais ameaçado do que o esperado, devido à sua história de vida peculiar. Consequentemente, essas novas informações sobre a biologia e a história de vida dos celacantos são essenciais para a conservação e o manejo dessa espécie.”

Em estudos futuros, os cientistas planejam realizar análises adicionais nas escalas de celacanto, para descobrir se a taxa de crescimento está relacionada à temperatura. A resposta fornecerá algumas análises sobre os efeitos das mudanças climáticas nessa espécie vulnerável.

Os ancestrais do celacanto evoluíram 420 milhões de anos atrás, sobrevivendo à mudança de continentes e ao asteroide que exterminou os dinossauros.

Habitando em cavernas no fundo do oceano, os indivíduos podem crescer até 1,8 m, inclinando a balança em mais de 90 kg.

A pesquisa está publicada na revista Current Biology.

Fonte: BBC News / Helen Briggs
Tradução: Redação Ambientebrasil / Maria Beatriz Ayello Leite
Para ler a reportagem original em inglês acesse:
 https://www.bbc.com/news/science-environment-57518593



Fonte: Ambiente Brasil - BBC



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Como não repreender seu cachorro – Dicas de cuidados e educação

Leia Mais