Notícias

Peixes ingerem fraldas descartáveis e toxinas ‘voltam’ a humanos via alimentação

Compartilhe:     |  3 de agosto de 2018

Segundo estudo do grupo ambiental Ecoton feito na Indonésia, 80% dos peixes estão infectados e têm partículas de plástico no organismo; poluição dos rios no país pode impactar saúde de mais de três milhões de pessoas

Pesquisadores descobriram que peixes estão comendo plástico de fraldas descartáveis e transmitindo bactérias provenientes das fibras tóxicas a moradores de cidades da Indonésia. Segundo o estudo realizado pelo Grupo Ambiental de Observação Ecológica e Conservação de Áreas Úmidas (Ecoton), 80% dos animais analisados estavam infectados e apresentavam partículas minúsculas de plástico no organismo.

Informações do Daily Mail apontaram que mais de meia tonelada de fraldas descartáveis  é despejada no rio Brantas, o maior da província de Java Oriental, todos os anos, o que ilustra o crescente problema de poluição no país. Os estudiosos relataram que o risco de contaminação é grande até para as pessoas que não comem peixes, já que a água utilizada na província provém do grande rio.

Quatro dos rios da Indonésia, incluindo o Brantas, estão classificados entre os 20 mais poluídos do mundo. O levantamento ainda calculou que a contaminação da água  pode afetar a saúde de mais de três milhões de pessoas no país, principalmente na cidade de Surabaya.

Com a análise, a equipe de cientistas identificou que os portões usados para controlar o fluxo de água são frequentemente entupidos por grandes pedaços de detritos flutuantes. E somente depois de 30 sessões de limpeza nas comportas, que levaram 11 meses, os pesquisadores conseguiram detectar a quantidade de lixo jogada nesse rio anualmente.

Em relação aos animais marinhos , cientistas identificaram 21 espécies de peixes com microplástico no estômago. De acordo com o pesquisador Andreas Angus, os vertebrados aquáticos engolem os pedaços de plástico e, por isso, as toxinas passam do estômago para a carne. Assim, quando pessoas ingerem peixes, podem adquirir para si resíduos depositados no organismo dos peixes.

“Quando as fraldas descartáveis são imersas na água e expostas ao sol, começam a se ‘desmanchar’ em pedaços menores, o que faz com que os peixes as engulam mais facilmente”, explicou o executivo da Ecoton, Prigi Arisandi.

O grupo informou que, além dos microplásticos deixados pelas fraldas descartáveis , outros resíduos e substâncias nocivas foram detectados na água do país. Dessa maneira, a fim de reduzir os danos causados, ambientalistas solicitam reforços das autoridades para o monitoramento e a limpeza de algumas áreas afetadas e também da população, que, por sua vez, deve reduzir o uso de fraldas plásticas, por exemplo.



Fonte: Último Segundo - iG



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Lei que proíbe piercings e tatuagens em animais é sancionada no Distrito Federal

Leia Mais