Notícias

Pesquisa revela que 8,4% dos adolescentes no Brasil estão obesos

Compartilhe:     |  22 de maio de 2016

No prato de João Pedro de Souza, só entra arroz branco, carne vermelha e frango. Ovo, só se for sem a gema. Verduras e legumes, apenas em raras ocasiões. E, quanto a frutas, há menos de quatro meses, ele experimentou pela primeira vez um pedaço de abacaxi (e se apaixonou!). Não é exagero: o rapaz de 16 anos tem uma dieta restrita desde a infância — não por conta de intolerância a alimentos, mas por hábito —, e a pouca variedade de ingredientes sempre foi compensada pela grande quantidade ingerida. Entre uma refeição e outra, ele chegava a beber, sozinho, 1 litro de refrigerante. Esse estilo de alimentação, não à toa, levou João Pedro aos 140 kg quando ele tinha apenas 13 anos.

O cenário começou a mudar em 2014, quando ele se juntou a um grupo dos Vigilantes do Peso para tentar diminuir o tamanho de seus pratos e limitar comidas gordurosas — há dois anos, não come fritura, por exemplo. Isto o levou a emagrecer 32 kg, baixando seu peso para 102kg, que, espalhados por 1,90 metro de altura, parecem até menos. Hoje aos 16 anos, ele conta que o próximo passo é tentar aumentar a gama de alimentos da dieta, mas admite: experimentar ingredientes, assim como resistir a tentações, não é tarefa fácil.

— Comecei a ganhar peso extra aos 4 anos. Ficava com a minha avó para minha mãe trabalhar, e sabe como é avó, né? Ela sempre queria que eu comesse mais — conta o estudante, aos risos.

Antes de perder todo aquele peso, João Pedro era parte de um retrato revelado por um estudo que indica que 8,4% dos brasileiros de 12 a 17 anos estão obesos. Classifica-se como obesa uma pessoa com Índice de Massa Corporal (IMC) igual ou maior que 30 — o IMC é calculado dividindo o peso pelo quadrado da altura. Somando-se à fatia de 17,1% dos adolescentes que têm apenas sobrepeso (IMC de 25 a 29), conclui-se que o país tem 25,5% de seus jovens nessa faixa etária pesando mais do que deveriam.

Para piorar, 9,6% deles sofrem de hipertensão. O estudo afirma que quase um quinto dos adolescentes hipertensos poderia não ter esse problema caso não fossem obesos.

ESPAÇO PRO INFO

Os dados são do Estudo de Riscos Cardiovasculares em Adolescentes (Erica), o primeiro deste tipo realizado no país, conduzido entre 2013 e 2014 por várias universidades e financiado pelo Ministério da Saúde. Os pesquisadores avaliaram cerca de 85 mil adolescentes de escolas públicas e privadas de 124 municípios do Brasil com mais de 100 mil habitantes. Os primeiros resultados levaram a 13 artigos abordando uma série de possíveis fatores de risco para o desenvolvimento de doenças do coração, como obesidade, hipertensão, inatividade física, tabagismo e transtornos mentais.

Segundo o Erica, a obesidade afeta mais o sexo masculino que o feminino. Os meninos também tendem a ser mais hipertensos do que as meninas, e boa parte disso é consequência do excesso de peso.

As taxas mais baixas de hipertensão foram registradas nas regiões Norte e Nordeste (8,4% em cada uma); e a mais alta, na região Sul (12,5%). O número de obesos acompanha essa tendência: índices menores no Norte e no Nordeste, e maiores no Sul do país.

Outro estudo recente sobre a saúde dos adolescentes, desta vez em nível mundial, publicado na revista médica “Lancet”, mostra que as taxas de sobrepeso e obesidade nesses jovens crescem em quase todos os países desde 1990. O artigo “O fardo global das doenças”, feito por pesquisadores de universidades como Columbia, nos EUA, e Melbourne, na Austrália, alerta que o excesso de peso durante a adolescência tende a se estender pelo início da vida adulta, aumentando o risco de complicações como diabetes tipo 2 e doenças cardiovasculares.

Uma das autoras do estudo Erica, a professora Maria Cristina Kuschnir, do Núcleo de Estudos da Saúde do Adolescente da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), explica que obesos e hipertensos que conseguem emagrecer ainda no período da adolescência têm grandes chances de voltar a ter uma pressão arterial normal ao longo da vida. Eles também tendem a deixar para trás o risco aumentado de desenvolver doenças hepáticas, diabetes e outros problemas associados à obesidade. Por isso, a adolescência seria a última “janela de oportunidade” para emagrecer e recuperar a saúde.

— As crianças respondem melhor do que os adolescentes, e estes, por sua vez, respondem muito melhor do que os adultos. Então, a adolescência é ultima etapa em que podemos interferir com alguma esperança de reverter a obesidade e suas consequências — afirma Maria Cristina. — Sair da adolescência obeso é trágico para a vida futura, porque pode trazer problemas renais, acidente vascular cerebral (AVC) e infarto.

Deslizes começam na infância

A pesquisadora destaca que muitas famílias não identificam a obesidade como uma doença, o que faz com que se demore a procurar ajuda.

— O adolescente é visto como gordo, mas a família não vê isso como algo que precise de uma intervenção, um tratamento. É naturalizado — lamenta ela, lembrando que, em geral, as raízes da obesidade estão em deslizes cometidos desde o nascimento da criança. — Há erros comuns como engrossar o leite de vaca com farinha e açúcar, o que acaba desajustando a alimentação do bebê.

Katia Bloch, coordenadora do estudo e professora de Epidemiologia do Instituto de Estudos em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), explica que poucos pediatras têm o costume de verificar a pressão e o nível de glicose e de colesterol de adolescentes. Em geral, diz ela, não se espera que pessoas tão jovens tenham problemas desse tipo. No entanto, a Organização Mundial de Saúde (OMS) considera que toda criança acima de 3 anos de idade deve ter sua pressão aferida anualmente.

— A saúde do adolescente é uma especialidade que tem que ser vista com cuidado. Muitas vezes médicos usam parâmetros de adultos para avaliar a saúde de adolescentes. Alguns têm colesterol de 190 mg/dl, que seria normal para um adulto (o nível ideal é até 200 mg/dl), mas já é alto para quem tem entre 12 e 17 anos — exemplifica Katia.

Segundo o endocrinologista Amélio Godoy Matos, ex-presidente da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, 70% das crianças que chegam obesas à adolescência se mantêm obesas para o resto da vida.

— Quanto mais o tempo passa, mais difícil é reverter esse quadro — pontua ele.

Matos explica que os meninos têm mais risco de ter hipertensão porque têm mais tendência a engordar na barriga. E o tamanho da cintura é mais importante que o índice de massa corporal (IMC) para definir o risco de alta na pressão.

— Quem engorda mais no quadril ou nos membros inferiores tem menos risco de hipertensão, porque essa gordura é mais protetora. Meninas são assim — afirma o endocrinologista.

Em contrapartida, o Erica mostra que as meninas são as que menos praticam atividade física. De acordo com a pesquisa, 70,7% delas são sedentárias, enquanto o mesmo índice entre os meninos é de 38%.

— Atividade física pode ter impacto direto na obesidade e ainda auxiliar na escolhas de hábitos mais saudáveis — destaca um dos autores do estudo, Felipe Cureau, educador físico e doutorando em Endocrinologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).



Fonte: Extra - Clarissa Pains - O Globo



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

“Comida de humanos” pode até matar os pets! Veja os riscos dessa prática

Leia Mais