Notícias

Pesquisadores coletam mariscos em praia no Grande Recife para estudar impactos do óleo

Compartilhe:     |  31 de outubro de 2019

Os impactos do óleo no organismo de mariscos são analisados por pesquisadores da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Na manhã desta quarta-feira (30), estudantes de mestrado e doutorado de ciências biológicas estiveram na praia de Carne de Vaca, em Goiana, no Litoral Norte do estado, para coletar espécies e fazer análises em laboratório.

O município voltou a ter registro de óleo na terça-feira (29), quando fragmentos da substância foram localizados na Ilha de Itapessoca, próxima às praias de Barra de Catuama e Ponta de Pedras, segundo o secretário de Meio Ambiente do município, Jorge Oliveira.

Divididos em duas equipes, os pesquisadores já fazem um monitoramento permanente da unidade de conservação que existe no local. A chegada do óleo às praias no Nordeste fez com que os estudiosos buscassem analisar as consequências trazidas ao meio ambiente e à vida de quem encontra na pesca uma fonte de renda.

Pesquisadores coletam mariscos para analisar impacto do óleo no organismo dos animais — Foto: Mônica Silveira/TV Globo

Pesquisadores coletam mariscos para analisar impacto do óleo no organismo dos animais — Foto: Mônica Silveira/TV Globo

“Estamos tentando ver se encontramos vestígios de petróleo dentro do organismo dos mariscos e se a gente consegue ver se esse produto vai influenciar nas características desses organismos”, afirmou o doutorando em desenvolvimento do meio ambiente Ivo Raposo.

Cerca de 150 mariscos foram coletados para a segunda etapa do projeto, que consiste na análise laboratorial. “A gente vai medir todos os mariscos, pesar e fazer uma análise da questão da reprodução”, disse.

Pesquisador Ivo Raposo coleta mariscos para análise do impacto do petróleo no organismo dos animais — Foto: Mônica Silveira/TV Globo

Pesquisador Ivo Raposo coleta mariscos para análise do impacto do petróleo no organismo dos animais — Foto: Mônica Silveira/TV Globo

A previsão dos pesquisadores é de que o resultado saia em novembro. “É um processo extenso de análise”, contou Raposo.

De acordo com o pesquisador Carlos Henrique Vasconcelos, os impactos na vida dos pescadores são perceptíveis. “A gente já vê um impacto social, porque as pessoas já estão deixando de comprar os recursos pesqueiros que eles coletam, aí já tem um prejuízo econômico muito grande”, declarou.

Cadastro de voluntários

Ainda em Carne da Vaca, a moradora Patrícia Moura fez, na manhã desta quarta (30), um cadastro de voluntários dispostos a limpar praias em Goiana.

“Estamos aqui com a Associação dos Moradores de Carne de Vaca, buscando voluntários para que eles possam vir ajudar caso o óleo chegue até aqui”, disse.

Seguro-defeso

Após as restrições à pesca de camarão e lagosta em áreas atingidas pelo óleo no litoral brasileiro devido a uma “provável contaminação química”, pescadores e marisqueiros do Recife relatam que, mesmo para os que já tinham direito ao seguro-defeso antes do desastre, o recebimento do benefício está atrasado.

Segundo Sandra Lima, que é representante da colônia de pescadores Z1, em Brasília Teimosa, na Zona Sul do Recife, 185 pescadores recebem o seguro-defeso na comunidade, mas cerca de 30 estão sem o benefício desde dezembro de 2018. De acordo com ela, o benefício era concedido pelo Ministério do Trabalho, mas, há três anos, passou a ser pago pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

Balanço

Em 25 de outubro, animais foram recolhidos em meio ao óleo no Cabo de Santo Agostinho, no Grande Recife — Foto: Clarissa Góes/TV Globo

Em 25 de outubro, animais foram recolhidos em meio ao óleo no Cabo de Santo Agostinho, no Grande Recife — Foto: Clarissa Góes/TV Globo

Pernambuco recolheu 1.518 toneladas de óleo em praias em 13 dias, de acordo com o balanço divulgado pelo governo estadual, na noite da terça-feira (29), dia em que Goiana, no Litoral Norte do estado, voltou a apresentar fragmentos da substância.

O volume de resíduos começou a ser contabilizado no dia 17 de outubro, quando as manchas apareceram em maior quantidade em São José da Coroa Grande, no Litoral Sul. O município teve o decreto de situação de emergência reconhecido pelo governo federal.

Entenda as manchas de óleo no Nordeste em cinco pontos

Entenda as manchas de óleo no Nordeste em cinco pontos

Também foram atingidas pelo óleo as cidades de BarreirosCabo de Santo AgostinhoItamaracáIpojucaJaboatão dos GuararapesOlindaPaulistaRecifeRio FormosoSirinhaém e Tamandaré.

O desastre ambiental no litoral nordestino deixou o setor turístico apreensivo, com diminuição de reservas em hotéis de Pernambuco nos próximos meses.



Fonte: TV Globo - Mônica Silveira



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Alimentação natural para cães: dicas e cuidados

Leia Mais