Notícias

Pinguins estão entre as espécies mais vulneráveis ​​às mudanças climáticas

Compartilhe:     |  20 de janeiro de 2019

Estudo mostra que as geleiras e as plataformas de gelo, tão importantes para certas espécies,  são as primeiras a sentir os efeitos do clima.

As desastrosas consequências do aquecimento global são sentidas em todas as partes do mundo, seja nos mares, nas florestas ou nas cidades. É uma corrida contra o tempo pra frear os danos irreversíveis desta catástrofe.

Algumas das espécies mais carismáticas do mundo são as que mais correm risco devido às mudanças climáticas, segundo um novo relatório.

Publicado na Frontiers in Marine Science na quinta-feira passada, mostra que as geleiras e as plataformas de gelo, tão importantes para certas espécies,  são as primeiras a sentir os efeitos do clima.

O  estudo analisou a literatura anterior sobre os efeitos em espécies únicas para descobrir se algumas se sairão melhor ou pior em um clima mais quente.

“Algumas das espécies mais carismáticas estão em risco”, disse o autor do estudo, Simon Morely.

O pinguim-imperador que se reproduz nas plataformas de gelo, e os pinguins Adèlie e chinstrap se alimentam de krill que vivem sob o gelo, foram considerados alguns dos mais vulneráveis.

Animais que se alimentam em águas abertas – como certos tipos de baleias, ou o pinguim-rei – poderiam se beneficiar, ele explicou, porque seu suprimento de comida é basicamente um tipo de peixe.

Pinguim imperador. Foto: Pixabay

Mesmo que possa haver benefícios positivos para algumas espécies, nunca é certo como o ecossistema como um todo será afetado, disse Jackie Dawson, presidente de pesquisa do Canadá em meio ambiente, sociedade e política.

“Nós sempre pensamos nos ursos polares ursos do Ártico e pinguins na Antártida”, disse ela à Global News. “Mas você sabe o que importa é o ecossistema.”

Mormente advertiu que o estudo se concentra apenas nos animais sobre os quais já existem informações.

Pinguim Chinstrap. Foto: Steve Billy Barton

“Existem animais raros que nós simplesmente não sabemos nada sobre e isso pode causar outros efeitos sobre os ecossistemas”, disse ele.

“É tudo sobre como rapidamente estas coisas mudam  – porque um ecossistema pode lidar com mudanças lentas”, disse ela, acrescentando: “É o darwinismo.”

Mas uma mudança rápida e abrupta pode ser prejudicial para um ecossistema, e Dawson alertou que nem sempre sabemos quais são os pontos de inflexão.

Morly concordou, dizendo que parte da pesquisa foi baseada em como as espécies reagiram a mudanças anteriores no clima, inclusive durante a última era glacial, mas um derretimento mais rápido – como o que estamos vendo agora – poderia causar grandes mudanças.

“A maior parte dos animais que estão atualmente em torno do planeta não experimentou esta taxa de mudança no clima”, disse ele.

Dawson disse que os efeitos de uma espécie podem se refletir em outras, inclusive para os humanos – e é por isso que é importante frear os efeitos da mudança climática.

“Todos sabemos que tudo está conectado. E esses efeitos podem ser bastante traumáticos para as espécies em si, mas também para os seres humanos “, disse ela.

A Antártida está perdendo o gelo marinho mais rapidamente do que nunca, de acordo com o Bureau of Meteorology.

A primavera de 2017 e o derretimento de verão foram a segunda pior primavera já registrada na região.



Fonte: ANDA - Mariana Duque



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Colecionadores de fãs, os siameses são inteligentes, comunicativos e brincalhões. Conheça curiosidades da raça

Leia Mais