Notícias

Planeta perde 24 bilhões de toneladas de solo fértil todos os anos, alerta ONU

Compartilhe:     |  18 de junho de 2019

Em uma mensagem em vídeo divulgada para o Dia Mundial de Combate à Desertificação e à Seca, marcado nesta segunda-feira (17), o secretário-geral da ONU, António Guterres, alertou que o mundo perde anualmente 24 bilhões de toneladas de terra fértil.

Além disso, a degradação da qualidade do solo é responsável por uma redução do produto interno bruto (PIB) de até 8% ao ano.

“Desertificação, degradação da terra e seca são grandes ameaças que afetam milhões de pessoas em todo o mundo” – alertou Guterres – “particularmente mulheres e crianças”. Ele disse que é hora de mudar “urgentemente” essas tendências, acrescentando que proteger e restaurar a terra pode “reduzir a migração forçada, melhorar a segurança alimentar e estimular o crescimento econômico”, bem como ajudar a resolver a “emergência climática global”.

A data, que busca ampliar a conscientização sobre os esforços internacionais de combate à desertificação, foi estabelecido há 25 anos, com a Convenção das Nações Unidas de Combate à Desertificação (UNCCD), o único acordo internacional vinculante sobre meio ambiente, desenvolvimento e gestão sustentável da terra.

Sob o lema “Vamos fazer o futuro crescer juntos”, o Dia Mundial de Combate à Desertificação e à Seca deste ano se concentra em três questões-chave relacionadas à terra: seca, segurança humana e clima.

Em 2025, informa a ONU, dois terços do mundo estarão vivendo em condições de escassez de água – com a demanda ultrapassando a oferta em determinados períodos – com 1,8 bilhão de pessoas sofrendo escassez absoluta de água, onde os recursos hídricos naturais de uma região são inadequados para suprir a demanda.

A migração deve aumentar como resultado da desertificação, com a ONU estimando que, até 2045, será responsável pelo deslocamento de cerca de 135 milhões de pessoas.

Restaurar o solo de terras degradadas, no entanto, pode ser uma arma importante na luta contra a crise climática. Com o setor de uso da terra representando quase 25% do total de emissões globais, a restauração de terras degradadas tem o potencial de armazenar até 3 milhões de toneladas de carbono anualmente.

A importância de assegurar que a terra seja bem gerida é observada na Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, que declara que “estamos determinados a proteger o planeta da degradação, incluindo por meio do consumo e produção sustentáveis, gerindo de forma sustentável os seus recursos naturais e adotando ações urgentes sobre as mudanças climáticas, para que possa apoiar as necessidades das gerações atuais e futuras”.

O Objetivo 15 declara a determinação da comunidade internacional em deter e reverter a degradação da terra. Saiba mais clicando aqui.

UNESCO alerta para crise global de desertificação

Também por ocasião do dia mundial, a chefe da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), Audrey Azoulay, denunciou que o planeta vive “uma crise global de desertificação, que afeta mais de 165 países”.

“A desertificação e a seca aumentam a escassez de água num momento em que 2 bilhões de pessoas ainda não têm acesso à água potável – e mais de 3 bilhões podem enfrentar uma situação semelhante até 2050”, alertou a autoridade máxima da agência da ONU.

Segundo o Secretariado da Convenção das Nações Unidas de Combate à Desertificação, até 2030, 135 milhões de pessoas devem migrar em todo o mundo como resultado da deterioração das terras.

“Essas migrações e privações são, por sua vez, fonte de conflito e instabilidade, demonstrando que a desertificação é um desafio fundamental para a paz”, ressaltou Audrey, que afirmou ainda que a crise da desertificação tem consequências dramáticas para o patrimônio ambiental da humanidade e para o desenvolvimento sustentável.

A dirigente lembrou que a UNESCO tem apoiado seus Estados-membros na governança da água e no enfrentamento de estiagens, aprimorando as capacidades de atores envolvidos na gestão hídrica e consolidando orientações políticas sobre o tema.

Entre as atividades apoiadas pelo organismo internacional, estão o monitoramento de secas e o estabelecimento de sistemas de alerta precoce para populações na África. A UNESCO também participa do desenvolvimento de atlas e observatórios para determinar a frequência e a exposição a estiagens. A agência trabalha ainda na avaliação de vulnerabilidades socioeconômicas e na concepção de indicadores de seca para a formulação de políticas na América Latina e no Caribe.



Fonte: ONUBr



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Problemas de saúde mais típico das raças

Leia Mais