Notícias

Plásticos mais mortais: sacos e embalagens são os maiores assassinos da vida marinha

Compartilhe:     |  2 de fevereiro de 2021

Uma análise abrangente encontra baleias, golfinhos, tartarugas e aves marinhas em risco mortal devido aos detritos marinhos

Sacos plásticos e embalagens flexíveis são os itens plásticos mais mortais no oceano, matando animais selvagens, incluindo baleias, golfinhos, tartarugas e aves marinhas em todo o mundo, de acordo com uma revisão de centenas de artigos científicos.

Linha de pesca e redes descartadas, bem como luvas de látex e balões também foram considerados desproporcionalmente letais quando comparados com outros detritos oceânicos que os animais comem por engano. A revisão, feita pela agência científica do governo australiano, CSIRO, descobriu que a ingestão de plástico foi responsável pela morte de animais em 80 espécies diferentes.

Baleias, golfinhos e tartarugas correm risco especial por comer filme plástico, com as mortes de aves marinhas associadas mais à ingestão de pedaços de plástico duro e balões. As redes e linhas da indústria pesqueira foram consideradas as mais letais para focas e leões marinhos.

“A morte por comer qualquer um desses itens não é rápida e provavelmente não será indolor”, disse a ecologista marinha Lauren Roman, que liderou o estudo. “É uma maneira horrível de morrer.”

A revisão, publicada na revista Conservation Letters, analisou 655 artigos científicos sobre detritos marinhos e encontrou 79 estudos em todos os continentes habitados detalhando mortes em cetáceos (baleias e golfinhos), pinípedes (focas e leões marinhos), tartarugas marinhas e aves marinhas.

O objetivo do estudo era entender quais tipos de animais corriam mais riscos com os diferentes tipos de detritos – principalmente plásticos – que estão no oceano. Em setembro, um estudo da revista Science estimou que em 2016 entre 19 e 23 milhões de toneladas de plástico chegaram aos rios e oceanos.

Roman disse que embora houvesse muito plástico no oceano, alguns tipos eram mais prejudiciais do que outros. “É importante não confundir a quantidade de plástico com o quão mortal ele é”, disse ela.
“Por exemplo, as microfibras provavelmente não vão matar uma baleia, mas pela primeira vez quantificamos o que está sendo comido, o que é mortal, e então [vamos] ver quais [dos itens] podem ser controlados por meio de políticas.”

O item mais desproporcionalmente letal era a borracha, mas os estudos revisados não conseguiram identificar com segurança de onde ela vinha. O plástico flexível usado para sacos e embalagens de plástico foi considerado especialmente perigoso porque era onipresente e perigoso.

Roman disse: “O plástico flexível pode amassar e ficar preso em vários pontos do sistema digestivo de um animal. “Normalmente, ele tem flutuação neutra, então você pode encontrá-lo em todos os tipos de profundidades na coluna de água que se sobrepõem aos locais onde os animais estão se alimentando.”

Os estudos examinados na revisão analisaram 1.328 mortes de animais, mas os detritos só foram claramente identificados como a causa da morte em 159 animais. Roman disse que a falta de dados sobre mortes por detritos marinhos depende das circunstâncias. A maioria dos animais que morrem nunca são encontrados pelos humanos.

Para que a morte de um animal marinho possa ser estudada em detalhes, ela precisa ser encontrada por pessoas em um local onde o animal possa ser examinado rapidamente por alguém com as habilidades certas. Saber o verdadeiro número de detritos marinhos em mamíferos marinhos era desafiador, mas era uma questão contínua que os pesquisadores estavam tentando responder.

A pesquisa também lista as respostas políticas potenciais para reduzir o número dos itens mais letais no oceano. A pesquisa diz: “Para reduzir a mortalidade da megafauna, recomendamos que os legisladores se concentrem na redução por meio da regulamentação, proibição e substituição de grandes itens de alto risco de mortalidade, como sacolas plásticas, embalagens plásticas, folhas plásticas, cordas de pesca, redes, equipamentos e balões.

“Reduzir a abundância desses itens no meio ambiente reduziria diretamente a mortalidade da megafauna marinha por meio de encontros e interações menores entre a megafauna e os detritos.”
Richard Leck, chefe dos oceanos do WWF Austrália, disse ao Guardian que o ímpeto global para reduzir o uso de plásticos descartáveis foi perdido com a pandemia de Covid-19.

Ele disse: “Provavelmente estamos usando mais plásticos agora do que no início deste ano. Este estudo nos mostra que temos que recuperar esse impulso. “É importante lembrar o que acontece com esses animais quando eles ingerem esses plásticos. É uma morte horrível. Quando as tartarugas ingerem sacos plásticos, não podem submergir. Mamíferos marinhos definham ao longo de semanas e semanas.”

Leck disse que mais de 70 países apoiaram até agora um apelo para que as Nações Unidas introduzam um tratado global para combater a poluição por plásticos. “Este estudo é outro argumento muito forte para se ter uma abordagem global para resolver isso”, disse Leck.

Em agosto, um relatório da organização policial internacional Interpol constatou um aumento no comércio ilegal de lixo plástico desde 2018, afirmando que a polícia em todo o mundo precisava trabalhar em conjunto para impedir o movimento ilegal e o despejo de lixo plástico.

Em outubro, pesquisadores australianos estimaram que 14 milhões de toneladas de pequenos pedaços de plástico estavam no fundo do oceano, sugerindo que havia cerca de 30 vezes mais plástico no fundo do oceano do que flutuando na superfície.



Fonte: Anda - Júlia Faria e Castro



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Alimentação natural para cães: dicas e cuidados

Leia Mais