Notícias

Quais as lesões mais comuns em atletas amadores e como preveni-las

Compartilhe:     |  26 de janeiro de 2020

Com o início do ano (e o Carnaval chegando), muita gente corre para a academia. Mas cuidado: mesmo quem não costuma treinar todos os dias e nem competir profissionalmente corre o risco de desenvolver lesões (tanto nos músculos quanto nas articulações) se não realizar os exercícios corretamente.

E não, não estamos falando daquele incômodo que aparece geralmente depois de 24 ou 48 horas depois da musculação — essa é a chamada dor muscular. Ela é completamente normal e apenas o resultado do seu corpo fazendo adaptações a um novo treino, ou até a indicação de que novos músculos estão se formando. “Esse tipo de dor tende a melhorar naturalmente, sem a necessidade do uso de remédios anti-inflamatórios. Já a dor de uma lesão não passa, e é acompanhada de edemas (manchas roxas), inchaço, pele quente na região machucada e pouca mobilidade do membro afetado”, explica o médico ortopedista Rodrigo Vetorazzi, do Hospital Albert Sabin, de São Paulo.

Rodrigo diz ainda que, felizmente, atletas amadores geralmente são acometidos por lesões mais simples, como as cãibras, tendinites e bursites. O problema é que, se não tratadas, elas podem piorar. “Tanto quem frequenta a academia três vezes na semana quanto quem participa de uma ou outra corrida no mês está sujeito a lesões mais graves, como fratura por estresse, rompimento de ligamentos e luxações.”

E as causas mais comuns das lesões envolvem a má execução de um movimento, a realização excessiva de um exercício e a postura errada durante o treino. É por isso que ter o acompanhamento de um profissional é sempre importante — muita gente se empolga ao começar um novo esporte e vai com muita sede ao pote.

Isso sem falar de duas etapas que a maioria pula: aquecimento e alongamento. “Precisamos deixar as fibras musculares preparadas para a realização do exercício. Vale começar, por exemplo, com uma caminhada leve antes de partir para algo mais pesado”, aconselha o médico. Além disso, é preciso respeitar os dias de descanso e utilizar calçados e roupas adequados.

Alguns esportes são menos recomendados do que outros? 

Não é que sejam menos recomendadas, mas algumas práticas são consideradas de maior impacto para as articulações e músculos e, por isso, exigem cuidado redobrado na sua realização. É o caso das atividades de contato, como as lutas e o futebol, e as competitivas, como o tênis. “A esteira, por exemplo, pode ser uma ótima opção para quem está começando, uma vez que é mais segura que a rua, que é irregular”, afirma Rodrigo. A bicicleta ergométrica e a natação também são ótimas para quem não quer correr riscos.

E quem já tem problemas nas articulações deve passar longe da academia? 

Não! Pode parecer contraditório, mas a prática de atividades físicas (de baixo impacto) são recomendadas para pessoas com desgaste nas articulações e artrose. “O ideal é que seja algo voltado para o alongamento e fortalecimento muscular. O ganho de preparo físico, desde que do modo correto, tira a sobrecarga das articulações e melhora as dores”, diz o ortopedista.

Ele ainda nos deu uma lista com os problemas mais comuns em atletas amadores. Confira:



Fonte: Boa Forma - Amanda Panteri



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

PETA quer banir o uso do termo “animal de estimação” por ser depreciativo para os animais

Leia Mais