Notícias

Queimadas florestais na Indonésia levam tensão a Sudeste Asiático por causa da poluição do ar

Compartilhe:     |  16 de setembro de 2019

Queimadas na Indonésia fizeram com que a qualidade do ar em Singapura tenha sido classificada neste sábado (14/09) como “insalubre” pela primeira vez em três anos, em meio à tensão entre os países da região por causa da poluição causada pelos incêndios florestais.

A medição da Agência Nacional de Meio Ambiente de Singapura (NEA, na sigla em inglês) situou entre “elevado” e “alto” o nível de concentração de partículas PM 2,5 – com até 2,5 micrômetros de tamanho, as mais prejudiciais para a saúde.

Neste fim de semana, Singapura permaneceu envolta em denso nevoeiro branco. Segundo a NEA, o índice de poluição subiu temporariamente para 112. Todos os valores acima de 101 são considerados “insalubres”. Por isso, as autoridades pediram aos 5,6 milhões de habitantes da cidade que evitem longas atividades esportivas ao ar livre.

Quase todos os anos nessa época, grandes partes do Sudeste Asiático sofrem a poluição do ar, cuja causa são os incêndios florestais contínuos na Indonésia, especialmente na ilha de Sumatra e em Kalimantan, a parte indonésia da ilha de Bornéu. Agricultores são acusados de iniciar queimadas, a maioria delas ilegais, para obter novas áreas de cultivo, especialmente para o óleo de palma. Uma situação semelhante à que ocorre atualmente no Brasil.

A poluição do ar causada por queimadas na Indonésia também afeta Singapura todos os anos. Segundo especialistas, este ano o problema foi acirrado pelo clima particularmente seco. A NEA teme que a situação continue preocupante por mais alguns dias.

Homem de máscara branca vedando boca e nariz telefona com celular
Alguns optam por usar máscaras para tentar se proteger da poluição na Indonésia

Na vizinha Malásia, os índices de poluição também têm sido elevados há dias devido às queimadas na Indonésia.

Os fogos na Indonésia, que começaram no início da temporada de seca em junho e se agravaram neste mês, estão provocando tensões diplomáticas com a vizinha Malásia, que denuncia que a fumaça chega até o seu território e afeta a saúde dos seus cidadãos.

O governo da Indonésia nega as acusações e alega que os incêndios na Malásia também contribuem para a crise.

A fumaça dos incêndios obrigou o fechamento de escolas neste mês, tanto na Malásia como na Indonésia, e fez disparar o número de pessoas afetadas por doenças respiratórias, denunciou a ONG ambientalista Greenpeace.

Segundo as autoridades da Malásia, cerca de 400 escolas no estado oriental de Sarawak, na fronteira com Kalimantan, tiveram que fechar por causa da poluição do ar. O ar na capital Kuala Lumpur atingiu um nível insalubre, criticam as autoridades.

Na própria Indonésia, várias escolas foram fechadas por causa da qualidade do ar. Somente na província indonésia de Riau, no leste da ilha de Sumatra, vários milhares de escolas foram fechados na semana passada. Centenas de milhares de pessoas vêm sendo afetadas por doenças respiratórias.

A agência de gestão de desastres indonésia BNPB calculou que 320 mil hectares foram atingidos até o mês de agosto. De acordo com o Greenpeace, cerca de um quarto do território queimado neste ano é composto por florestas primárias e turfeiras.

Este é o pior ano de incêndios na Indonésia desde 2015, quando incêndios parcialmente provocados pelas indústrias de papel e óleo de palma queimaram 2,6 milhões de hectares, o que resultou em uma série de medidas do governo para proteger e restaurar as florestas protegidas e as turfeiras.

Naquele ano, os incêndios causaram prejuízos avaliados em US$ 16 bilhões e afetaram gravemente a saúde dos habitantes de países vizinhos como Brunei, Malásia e Singapura.



Fonte: Deutsche Welle



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Dia das crianças: não dê animal de presente!

Leia Mais