Notícias

Quênia produz seu primeiro Censo Nacional de Vida Selvagem

Compartilhe:     |  30 de maio de 2021

O objetivo é entender melhor o tamanho das populações e sua distribuição, para identificar ameaças aos animais e sugerir estratégias de conservação

Famoso por suas áreas protegidas e por sediar o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), o Quênia, na África Oriental, está realizando seu primeiro levantamento nacional sobre a vida silvestre. O censo englobará tanto os animais silvestres terrestres quanto os aquáticos. O lançamento ocorreu no início do mês (07) e terminará em julho. A coleta de dados é importante para criação de políticas públicas de preservação dos animais selvagens, principalmente daqueles em risco de extinção.

A contagem está sendo feita por guardas-parques, pesquisadores e membros da comunidade. Financiado pelo Governo do Quênia e executado pelo Ministério de Turismo e Vida Selvagem, Serviço de Vida Selvagem do Quênia (KWS) e Instituto de Pesquisa e Treinamento da Vida Selvagem, o censo é realizado dentro das áreas de conservação e nos principais condados ricos em animais selvagens.

“É importante realizar esta Pesquisa Nacional para estabelecer uma base de dados e distribuição para uso futuro para entender as tendências da população de vida selvagem e mudanças em sua distribuição”, disse Najib Balala, secretário de gabinete de Turismo e Vida Selvagem, durante o lançamento oficial do censo, na Reserva Nacional Shimba Hills, localizado no condado de Kwale.

Lançamento do censo, na Reserva Nacional Shimba Hills. Foto: Kenya Wildlife Service.

A coleta se concentrará na contagem de espécies ameaçadas, como o pangolim, e o antílope negro, dos quais menos de 100 permanecem no Quênia.

A expansão dos assentamentos humanos, a mudança climática, que torna os recursos mais escassos e a caça ilegal contribuíram para o declínio das populações de vida selvagem. As populações de girafas no Quênia caíram cerca de 40% nos últimos trinta anos, de acordo com a Africa Wildlife Foundation.

Alguns dos animais mais vulneráveis ​​do Quênia, incluindo rinocerontes e elefantes, são contados periodicamente. Mas será a primeira vez que os animais serão contados sistematicamente em todas as áreas do país.

“Sabemos que há grandes lacunas. Provavelmente não sabemos muito sobre o que está acontecendo no norte do Quênia”, disse Winnie Kiiru, presidente interino do Instituto de Treinamento de Pesquisa da Vida Selvagem do Quênia.



Fonte: ((o))Eco - Bruna Martins



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Como não repreender seu cachorro – Dicas de cuidados e educação

Leia Mais