Ecologia e Saúde

Rabanete previne doenças do fígado e câncer de mama

Compartilhe:     |  29 de março de 2015

Essa raiz de sabor levemente picante favorece a digestão, a limpeza do fígado e ainda tem ação comprovada

Texto: Coleção VivaSaúde Especial – Fígado / Foto: Shutterstock / Adaptação: Clara Ribeiro

Rabanete previne doenças do fígado e câncer de mama

Foto: Shutterstock

A raiz originária da região do Mar Mediterrâneo, historicamente sempre foi bastante apreciada no Egito, na Grécia e em Roma. Atualmente ela é muito utilizada e valorizada na culinária asiática. Na Europa também tem o seu valor, mas infelizmente no Brasil não é igual. Seu consumo ainda não é dos mais significativos.

Em documentos sobre as hortaliças, a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) Hortaliças informa que o rabanete é fonte de vitamina C, fósforo e fibras e que, por possuir poucas calorias, é recomendado para pessoas em dietas de emagrecimento.

A nutricionista Mirian Martinez, do Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo, considera o alimento essencial para quem quer prevenir ou tratar a esteatose hepática. “Essa raiz tem uma essência responsável pelo sabor picante, que aumenta a secreção da bile pelo fígado”, afirma.

A enzima diatase é destaque no alimento pelo fato de ajudar na digestão dos amidos. Mas o rabanete traz outros benefícios à saúde, por conter fibras, vitamina C e minerais como potássio e fósforo. Suas substâncias antioxidantes, como a luteína e a zexantina, fazem dele um forte defensor da pele e combatente ao envelhecimento precoce. Então, da próxima vez que for ao mercado ou à feira, olhe com mais atenção para esta raiz.

Modo de usar: o rabanete deve ser consumido com casca e de diferentes maneiras. A melhor delas é crua, para o aproveitamento de todos os seus nutrientes. Sozinho ou acompanhado de outros legumes ou verduras e até frutas, como o kiwi, ele aparece mais em saladas. Quando cozido, seu sabor é menos picante, e integra bem pratos mais elaborados, como risotos, frangos e salpicão. O consumo pode ser diário em diversificados preparos, mas deve marcar presença à mesa pelo menos três ou quatros vezes por semana.

No exército de combate ao câncer de mama

Uma pesquisa realizada conjuntamente pelas universidades Flórida A&M e Texas A&M (EUA), mostrou que novos compostos sintetizados a partir de vegetais, entre eles o rabanete, podem combater o câncer de mama triplo-negativo, um tipo raro e agressivo da doença que é caracterizado por ter os três receptores (estrógeno, progesterona e her2) negativos, dificultando o ataque à doença com medicamentos, por não ter um receptor identificado. Apresentado em 2012 em um congresso farmacêutico nos Estados Unidos, o estudo mostrou que os compostos sintéticos derivados de vegetais que contêm a substância diindolilmetano (DIM) têm ação anticancerígena e são uma esperança na briga contra os tumores triplo-negativos.

Revista Viva Saúde



Fonte:



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Holanda se torna o primeiro país sem cães abandonados – e não precisou sacrificar nenhum

Leia Mais