Notícias

Recanto de tartarugas, Praia Vermelha, no Rio, vai virar santuário marinho

Compartilhe:     |  21 de julho de 2021

Proposta foi idealizada pelo Projeto Verde Mar, para ordenar e fiscalizar a pesca na enseada, além de fomentar pesquisa sobre a biodiversidade local

Um dos mais belos cartões postais do Rio de Janeiro deve ganhar um reforço para a sua preservação. Está em fase final, dentro da Secretaria municipal de Meio Ambiente (SMAC), a elaboração de um decreto que criará o “Santuário Marinho da Paisagem Carioca” na Praia Vermelha. A medida pretende ordenar as atividades na água e restringir a pesca, além de fomentar a pesquisa sobre a biodiversidade local, que tem, como um dos destaques, a presença das tartarugas.

O decreto irá fazer valer as premissas existentes desde 2013, quando foi criado o Parque Natural Municipal (PNM) Paisagem Carioca, que abrange o morro do lado direito da Praia Vermelha. O parque foi criado na esteira do título de patrimônio mundial da Unesco ao Rio, em 2012, por sua “paisagem cultural urbana”. Com isso, pela lei, as pescas passaram a ser proibidas num limite de até 50 metros de distância do costão rochoso.

Já do lado oposto fica o Monumento Natural (MoNa) do Pão de Açúcar. Além do trecho de 50 metros do lado direito em que qualquer extração natural é proibida, a presença das duas unidades faz com que toda a Praia Vermelha seja uma Zona de Amortecimento, o que demandaria controle de atividades na água. Mas as regras nunca foram devidamente regulamentadas.

A ideia de concretizar a preservação marinha veio do jornalista e instrutor de mergulho Caio Salles, fundador do Projeto Verde Mar. Desde 2016, ele faz mergulhos na Praia Vermelha e organiza mutirões de limpeza subaquática. Foi assim que percebeu como a maioria dos detritos no fundo do mar eram compostos por petrechos de pesca, como linhas, restos de rede, anzóis, chumbo e até vela de ignição de automóveis.

Mas apenas limpar o fundo seria “enxugar gelo”, como definiu. Por isso, a sua proposta vai além, com base em três diretrizes: comunicação, educação ambiental e pesquisa científica.

— Passei a conversar com alguns pescadores e frequentadores da praia e percebi que quase ninguém sabia que ali era uma área marinha protegida. Passamos, então, a pensar em formas de mitigar o problema — explica Salles, que se uniu a Marcelo Andrade, gestor do PNM Paisagem Carioca, para elaboração do projeto.

A escolha do nome “Santuário Marinho” foi estratégica, para chamar a atenção da fiscalização e, do lado da educação ambiental, atrair excursões escolares. A prioridade zero, como explica Andrade, é a colocação de placas na areia e na costa. Já a ideia de como marcar os 50 metros da área no espelho d’água não está fechada. Salles diz que uma possibilidade é colocar boias no mar, mas isso precisa ser melhor estudado.

— A maioria dos casos aqui é de pesca recreativa. Então a divulgação e sinalização dos limites do parque já ajudam muito. Muitos, quando avisamos, entendem e vão para o outro lado da praia pescar. Já pesca industrial não pode ser permitida, e também devemos ordenar a entrada de jetskis — diz Salles, que destaca que a área próxima ao costão serve como berçário para peixes e tartarugas. — A preservação vai inclusive ajudar a pesca fora dos limites do parque, porque mais espécies vão se desenvolver nesse berçário e depois saírem para o mar aberto.

Patrocínio para as pesquisas

O passo seguinte é a busca de apoio e patrocínios para as pesquisas. Por isso, Salles vai lançar uma plataforma para financiamento coletivo. Sua ideia é ter quatro linhas principais de monitoramento: das espécies de peixes; da quantidade de lixo no mar; dos organismos bentônicos (que ficam no fundo do mar ou junto à costa rochosa); e das tartarugas, o que seria conduzido pelo Projeto Aruanã, que faz trabalho semelhante nas Cagarras, em parceria com o Ilhas do Rio.

— A tartaruga é um símbolo do que chamamos de “fofofauna”, ela desperta o interesse das pessoas — diz Salles, que defende a participação coletiva. — Não pode ser um trabalho de formiguinha, porque se pisam em uma formiga, ela morre na hora. É preciso formar um formigueiro. Por isso, estou tentando envolver o máximo de pessoas possível, como as assessorias esportivas, as comunidades do entorno, os trabalhadores da praia e diversas instituições parceiras.

Prefeitura criou Núcleo de Vida Marinha

Dentro da SMAC, o projeto do santuário vem sendo tocado pelo recém criado Núcleo de Vida Marinha, lançado em junho com objetivo de alcançar resultados propostos pela Década dos Oceanos, da Unesco e da Agenda 2030, da ODC. Gerente do núcleo, Simone Pennafirme diz que o santuário se relaciona à proposta de criar “uma cultura oceânica na sociedade sobre a importância dos ecossistemas marinhos”.

Além do decreto, cuja minuta está em análise pelo setor jurídico, uma das etapas finais do processo, será criado um grupo de trabalho, coordenado por Simone e o biólogo Ricardo Sousa Couto, coordenador da Gerência de Unidades de Conservação, para elaborar ações no santuário.

— Na Praia Vermelha é possível encontrarmos espécies em algum grau de vulnerabilidade, como tartarugas marinhas, cavalos-marinhos e raias — destaca Simone, que cita ainda o lançamento que será feito de um guia de identificação de raias encontradas na Baía de Guanabara, incluindo a Praia Vermelha.



Fonte: Um Só Planeta - Por Lucas Altino - O Globo



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Como não repreender seu cachorro – Dicas de cuidados e educação

Leia Mais