Projetos Ambientais

Rede de polinizadores urbanos: arquitetura a serviço da conservação socioambiental em Salvador

Compartilhe:     |  12 de janeiro de 2020
Trata-se de um projeto que envolve “arquitetura não solicitada” motivado pela busca da pratica profissional de efetiva contribuição, por um compromisso ético de difusão do campo da arquitetura e do urbanismo e pelo enfrentamento, com uma perspectiva diferenciada, positiva e transversal multidisciplinar, dos prementes desafios que hoje se apresentam na escala local – global.O Doce_Ssa nasceu no contexto da Virada Sustentável 2018 Salvador, maior Festival de Desenvolvimento Sustentável, Educação e Cultura da América Latina, lastreado pelos 17 ODS ONU, como ação selecionada que envolveu intenso planejamento, projeto e construção non-profit, mobilizou diversos voluntários e especialistas, evoluindo para o interesse da agenda de Sustentabilidade e Inovação da Municipalidade.

Em consonância com os objetivos e levados a investigação, o confronto com o Projeto Honey Factory – projeto italiano de biomonitoramento urbano e didática ambiental, baseado na Apicultura (criação de abelhas com ferrão) – foi que revelou a Meliponicultura, no lugar da Apicultura, como protagonista na realidade brasileira em todo seu potencial de promoção de desenvolvimento sustentável. No âmbito arquitetônico, a falta de conhecimento acerca das abelhas nos fez compreender só após algum tempo que a configuração daquele objeto, com acesso das abelhas a 4,5 de altura do solo, como medida de segurança ao público, não se justificava no nosso território. Por serem espécies com o ferrão atrofiado, incapazes de ferroar o ser humano, nossas abelhas nativas podem estar presentes na zona urbana, em espaços públicos. Este aspecto influenciaria definitivamente a arquitetura proposta.

A Meliponicultura, criação racional de abelhas nativas “sem ferrão” (ou meliponíneos), por sua vez, é uma atividade em expansão, de utilidade pública e de essencial interesse para o meio ambiente e para agricultura familiar e empresarial.

Na Bahia, como panorama favorável, o intenso ativismo de diversos meliponicultores, chefs da gastronomia, pesquisadores, instituições governamentais, associações e grupos organizados, resultou na recente regularização da atividade no Estado (lei 13.905/2018), permitindo a implantação de Meliponários, visando atender finalidades socioculturais, pesquisa científica, fomento, educação ambiental, conservação, exposição, reprodução e comercialização de seus produtos e subprodutos, demonstrando assim a potencial multiplicidade programática para arquitetura.

Mais do que delicioso mel, as abelhas prestam um significativo serviço ambiental com a polinização. Sem esse processo muitas plantas não produziriam sementes e frutos e não se reproduziriam para garantir o crescimento e a sobrevivência da vegetação nativa ou a produção de alimentos (80% dos cultivos polinizados dependem delas).

Mais de 72% da população brasileira atualmente vivem sob os domínios da Mata Atlântica – Salvador possui a totalidade do seu território nesse importante bioma, com seus ecossistemas associados – sendo que cerca de 87% de sua cobertura foi reduzida com recorrentes supressões vegetais. A nossa qualidade de vida depende, em grande parte, da manutenção e recuperação dos remanescentes deste bioma, que mantêm os mananciais que abastecem as cidades, ajudam na regulação do clima, da temperatura do solo e protegem encostas e morros.

A acelerada expansão urbana vem reduzindo o habitat natural e consumando o holocausto de colônias de ABSF, aumentando o risco de quebra de safra de alimentos por falta de polinizadores no mundo, como já vem ocorrendo na Europa, Ásia, EUA e no Brasil, em virtude do grande consumo de agrotóxicos.

ARQUITETURA PARA TODOS

A implantação de Meliponários, que possibilita multiplicação de colônias de ABSF, pretende reverter esse quadro numa estratégia de resiliência climática de comunidades para capital baiana. A proposta arquitetônica contempla a rede a partir das “micro-arquiteturas”, da multiplicação dessas compondo espaços articulados com programas locais: parques urbanos, hortas urbanas, escolas, terreiros de matriz africana. O “pequeno pavilhão” temporário, por sua vez,  palco do evento da Virada Sustentável, intencionava uma amostra da macro arquitetura do edifício-sede gestor da rede. Propositalmente locado num dos principais parques urbanos da cidade, reforçava  a mensagem do papel do espaço público como necessário “bolsão de ar” para urbanidade,  entre dois bairros com forte e brusco contraste na morfologia urbana, Nordeste de Amaralina e Itaigara – o apelo ousado para organização do evento que inclua a arquitetura de pavilhões de forma oficial na agenda, e a proposição efetiva da locação ali do equipamento sede, articulado com o programa do novo centro de inovação recém inaugurado pela prefeitura.

Guardar no Meu ArchDaily

Edifício sede dos meliponários. Image Cortesia de Equipe de projeto

Edifício sede dos meliponários. Image Cortesia de Equipe de projeto
 

Numa provocativa inversão de escalas, da relação cidade – arquitetura – objeto é então proposto o Doce_ssa, colocando a arquitetura a serviço da Meliponicultura, evidenciando abordagens que se entrelaçam: abelhas nativas sem ferrão, biodiversidade, patrimônio genético e cultural, empreendedorismo, economia familiar, educação ambiental, qualidade de alimento e de vida, espaços verdes, cidades habitáveis resilientes.

Guardar no Meu ArchDaily

Edifício sede dos meliponários - programa. Image Cortesia de Equipe de projeto

Edifício sede dos meliponários – programa. Image Cortesia de Equipe de projeto
 

AS MICRO-ARQUITETURAS E BIODIVERSIDADE

OS MELIPONÁRIOS são os locais onde são instaladas as colmeias das abelhas. Essas, em geral, também chamadas de caixas racionais, são construídas em madeira e reproduzem, baseadas em pesquisas científicas, as características fisiológicas que as colônias encontram na natureza (cavidades de troncos de árvores). Trata-se do abrigo de uma criteriosa construção da natureza realizada pelas abelhas, em matérias base, cera, barro e resina vegetal: a arquitetura dos ninhos. Atualmente existem uma infinidade de modelos de caixas para ABSF que variam de acordo com a biologia da espécie manejada disponível (58 espécies reconhecidas), com a região do país e, também, com os objetivos de criação.

Guardar no Meu ArchDaily

Edifício sede dos meliponários. Image Cortesia de Equipe de projeto

Edifício sede dos meliponários. Image Cortesia de Equipe de projeto
 

Os objetivos de criação aqui propostos voltam-se a educação ambiental e a polinização do bioma Mata Atlântica, das hortas urbanas e seu entorno. Propõe também compor o plano de manejo municipal da espécie Melipona scutellaris (Uruçu Nordestina) em risco de extinção, até então inexistente. Adotou-se assim a caixa modelo vertical Fernando Oliveira / INPA, aliando os objetivos do projeto àqueles disponíveis, que por sua vez se alinham com os critérios sustentáveis da prática da meliponicultura.

O trabalho piloto de design se desenvolveu vislumbrando a articulação com as ações da Municipalidade no seu Programa Salvador Capital da Mata Atlântica, com o plantio de espécies nativas em toda cidade, e a consolidação da Rede de Hortas Urbanas comunitárias e escolares.

Guardar no Meu ArchDaily

Edifício sede dos meliponários. Image Cortesia de Equipe de projeto

Edifício sede dos meliponários. Image Cortesia de Equipe de projeto
 

Definiu-se duas tipologias, que se conformam aos programas e objetivos de criação propostos, sempre buscando o conforto animal e as adaptações necessárias para adoção em meio urbano. Neste aspecto vale salientar a recomendação para localização dos meliponários nas proximidades de oferta de flora (pasto melípona), conforme raio de voo de cada espécie, e distante de fontes poluentes (fábricas, abrigos de lixo, etc.)

A ‘COLMEIA DOCE_SSA 01‘, se constituiu basicamente do aperfeiçoamento da colmeia com suporte individual adotada em meliponários com método artesanal tradicional de criação de ABSF. Sugerida a implantação em espaços públicos, com caráter educativo – lúdico, demandou a criação de um dispositivo de segurança contra furtos, frente ao valor agregado da colônia de abelhas. Pensados na manutenibilidade, a adoção de alguns materiais não naturais como o metal, também intencionam esteticamente o contraste da manufatura humana, com um sugestivo equilíbrio possível com a natureza. Em detalhe, a pintura corporal indígena aplicada ao suporte de madeira renovável, propõe o resgate da herança cultural indígena na lida com as abelhas.

Guardar no Meu ArchDaily

Colmeia 1. Image Cortesia de Equipe de projeto

Colmeia 1. Image Cortesia de Equipe de projeto
 
Guardar no Meu ArchDaily

Colmeia 1. Image Cortesia de Equipe de projeto

Colmeia 1. Image Cortesia de Equipe de projeto
 

A arquitetura da ‘COLMEIA DOCE_SSA 02‘, por sua vez, foi pensada para dinâmica de implantação em hortas urbanas (espaços com vigilância permanente), como centros polinizadores. Seguem assim o nível de progressão da participação da comunidade, a disponibilidade orçamentária, e o próprio crescimento natural induzido das colônias no cronograma pretendido de manejo. Dentre as demais características condicionantes da tipologia: estruturas flexíveis possibilitando diversos arranjos na variação da configuração de espaços e disponibilidade de infraestrutura (água, energia, áreas de apoio etc.); suportes para se atingir 100 caixas/colônias/horta; estruturas que possibilitem outras apropriações das comunidades das hortas e das escolas (estação de serviços do cultivo, a sala de aula ao ar livre), conferindo caráter de pertencimento local além do funcional das ABSF; estruturas modulares possibilitando velocidade de execução e sistema de montagem adaptativos; estruturas compactas (Largura=65cm), podendo ocupar a faixa correspondente a 1 canteiro da horta (em geral L=60 a 100cm); previsão de barreira para predadores naturais (formigas, etc.); possibilidade de receber qualquer caixa racional, inclusive toras de madeira como ninhos para abelhas solitárias (sem algumas dessas jamais comeríamos alguns frutos, como o maracujá).

Guardar no Meu ArchDaily

Colmeia 2. Image Cortesia de Equipe de projeto

Colmeia 2. Image Cortesia de Equipe de projeto
 
Guardar no Meu ArchDaily

Colmeia 2. Image Cortesia de Equipe de projeto

Colmeia 2. Image Cortesia de Equipe de projeto
 

Da relação metafórica de intercâmbio entre a flora e a fauna (ABSF) e a partir das demandas funcionais– programáticas expostas, é concebida a tipologia 02, com três variantes: modulo único (260x200cm), com capacidade para 12 colônias; modulo duplo, com capacidade para 60 colônias; modulo duplo, com instalações de apoio e serviço, capacidade para 29 colônias.

A construção desse projeto confere uma nova perspectiva de atuação profissional do arquiteto. O Doce_SSA propõe assim conectar a biodiversidade ao espaço urbano, entre o natural, o cultivado e o construído.

FICHA TÉCNICA – PROJETO DOCE_SSA

  • Local: SalvadorBahia, Brasil, Planeta Terra
  • Ano: 2018 / 2019
  • Idealização e coordenação: George Almeida / Studio 360arquitetura
  • Equipe: Abner Batista, Ludmila Gomes, Matheus Rocha, Marina Novais, Robson Racaes (Racaes Consultoria Estrutural)
  • Multidisciplinaridade: Carola Lima (Bióloga), Pedro Viana (Meliponicultor)
  • Laboratório de Bionomia Biogeografia e Sistemática de Insetos – BIOSIS / IBIO /UFBA
  • Texto enviado pela equipe de projeto


Fonte: Arch Daily - Romullo Baratto



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Por que os cães bebem muita água?

Leia Mais