Notícias

Se podemos cultivar carne sem crueldade em um laboratório, o que há para reclamar?

Compartilhe:     |  28 de fevereiro de 2021

A ciência está forçando veganos e vegetarianos que exigem que outros se juntem a eles a pensar novamente

Com o desenvolvimento da carne cultivada em laboratório, os vegetarianos e veganos precisam se perguntar: ainda é sobre bem-estar animal ou é sobre parar de comer carne?

A carne cultivada, produzida em biorreatores a partir de células musculares retiradas de animais vivos, foi aprovada pela primeira vez por uma autoridade reguladora. “Chicken bites” (“petiscos de frango”), da startup Eat Just, de São Francisco, foi aprovado para venda pela Singapore Food Agency.

É um momento marcante que pode levar a uma revolução na carne “gentil e limpa”, reduzindo significativamente a produção pecuária industrial, potencialmente eliminando-a por completo. Também poderia ser muito mais ecológico, com 96% menos emissões de gases de efeito estufa e 99% menos uso da terra, evitando a contaminação bacteriana de dejetos animais e overdose de hormônios e antibióticos industriais. Agora, várias empresas, incluindo grandes produtores de carne, estão desenvolvendo carne de laboratório, adquirindo regulamentação global e convencendo o público.

Isso é alucinante. Basta pensar: a possibilidade de não haver mais fazendas industriais ou matadouros. É o começo, e as principais preocupações precisam ser abordadas: despesas, qualidade, transparência de metodologia e produção, regulamentação mundial, acalmar a ansiedade do consumidor sobre segurança e muito mais. Mas não preferimos abordar essas questões? Como vegetariana, eu não comeria carne de laboratório, mas adoro a ideia de que outras pessoas possam consumir carne segura e sem crueldade com a consciência limpa. Se os animais não estão sofrendo, se o meio ambiente se beneficia, não há problema… Certo?

Alguns discordam, argumentando que a carne de laboratório perpetua a fixação com o consumo de carne e que o foco deve ser em dietas à base de vegetais. Eles também estão preocupados com a participação dos produtores de carne, o que não faz sentido. Se houver regulamentação adequada, certamente será uma grande vantagem para os produtores de carne estarem envolvidos? O objetivo, com certeza, é parar o sofrimento e a destruição, e não os lucros. Talvez pelo menos parte da oposição à carne cultivada em laboratório esteja enraizada na identidade, uma necessidade “ética” beirando a exigência de que as pessoas se juntem a elas para achar o consumo de carne repugnante, e que talvez todos devam ter como objetivo ser vegano, ou pelo menos vegetariano. Exceto que isso nunca vai acontecer.

Embora tenha havido um surto de interesse por produtos sem carne, muitas pessoas ainda querem comer carne. E, francamente, se é livre de crueldade e ecologicamente correto, por que não deveriam?

Talvez seja hora de verificar as prioridades. Ainda é sobre bem-estar animal e meio ambiente, ou tornou-se uma questão de controlar o que as pessoas comem? Algo linha dura e ditatorial se instalou? A ironia é que foram esses tipos muito “éticos” que quase sozinhos impulsionaram a busca por opções viáveis de mercado de massa e sem crueldade. Isso é efetivamente o que eles queriam… E eles conseguiram! Então, é claro, ainda faça perguntas, mas também regozije-se, coopere no que poderia se tornar uma mudança no jogo global. Vamos, veganos, levem a vitória!

Sinto muito, estou passando muito tempo com entregadores

Nestes tempos de mudança, nossos relacionamentos com os motoristas de entrega estão se tornando mais pessoais e intensos? Não se assuste, este não é um argumento de roteiro pornográfico (título possível: o moço da entrega sempre bate duas vezes).

Uma pesquisa da “Which?” relata que até duas em cada três pessoas têm problemas com entregas. Pacotes lançados sobre sua parede. Pacotes lançados sobre a parede de outras pessoas. Assinaturas falsas. Faltam itens. “Lugares seguros” ignorados e pacotes deixados à vista de todos na porta. Cartões que insistem que você “perdeu a entrega” quando definitivamente estava em casa, fazendo você se sentir como se estivesse em um thriller de Hitchcock.

No período que antecede o Natal, especialmente neste ano com mais pessoas comprando online, às vezes pode parecer que o faroeste selvagem está sendo reencenado com vans e bicicletas de correio. Claro que não. A maioria dos motoristas de entrega, homens e mulheres, faz um ótimo trabalho, mantendo-se profissionais e amigáveis, apesar de serem sobrecarregados e mal pagos. Ainda assim, é interessante como, conforme a rua se desintegra, ela está se reformando como um tráfego implacável em ruas residenciais. Nem é totalmente impessoal. Enquanto o pessoal flutua, os mesmos rostos tendem a reaparecer nas rodadas.

Recentemente, sinto que tenho visto certos motoristas com mais frequência do que membros da minha própria família. Formei opiniões sobre eles: “Que bom, ele nunca atira pacotes nas poças.” Assim como eles provavelmente formaram alguns sobre mim: “Caramba, ela de novo, ela nunca para de gastar?”.

O tempo era, você sempre veria os mesmos leiteiros, lixeiros ou carteiros. Eles eram tão fixos na vida britânica que as crianças gostariam de crescer para se tornarem eles. Agora, para a maioria das pessoas, provavelmente são os motoristas de entrega que eles mais veem e uma nova subcultura está se formando. Não é de se admirar que as relações ocasionalmente se desgastam ou se tornam totalmente disfuncionais. Podemos estar nos vendo muito.

Você não precisa amar Thatcher para acreditar que ela merece uma estátua

Eu não suportava Margaret Thatcher, mas ela merece uma estátua em sua cidade natal? Claro que sim.

Os planos para erguer a estátua de Douglas Jennings de Lady Thatcher em Grantham, Lincolnshire, encontraram mais oposição, com foco no custo da cerimônia de inauguração. É muito dinheiro (£ 100.000), especialmente quando as pessoas estão lutando durante a pandemia. Embora seja esperado que a revelação seja financiada por doações privadas, ela será
subscrita pelo conselho. No entanto, não se trata apenas de dinheiro. Trata-se de Thatcher ser uma figura divisora.

No que foi descrito como um “mini Brexit” (saída do Reino Unido da União Européia), houve chamadas online para que a estátua fosse bombardeada com ovos. Não é bastante patético? Não há como negar que Thatcher era divisiva, mas ela era muitas outras coisas também, não menos importante, a primeira primeira-ministra e uma das líderes britânicas mais memoráveis de todos os tempos.

Foi interessante, recentemente, como fãs e detratores ficaram irritados com o retrato abertamente educado de Thatcher em “The Crown”, de Gillian Anderson. Mesmo aqueles de nós sem tempo para Thatcher pensaram que era injusto
reduzi-la a uma caricatura.

Ame-a ou odeie-a, como Primeira Ministra, Thatcher dominou o cenário nacional e internacional.

As tentativas de diminuir suas realizações, como se opor à estátua de Grantham, parecem mesquinhas e ridículas.

*Barbara Ellen é colunista do “Observer”



Fonte: Anda - Barbara Ellen (The Guardian) | Traduzida por Laura de Faria e Castro



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Veterinário dá dicas importantes de como cuidar de cães e gatos com a continuação do isolamento social

Leia Mais