Notícias

Setembro amarelo: animais também podem cometer suicídio?

Compartilhe:     |  24 de setembro de 2020

Comportamentos externos como troca de ambientes e maus-tratos podem ajudar para que o animal desenvolva transtornos de ansiedade e depressão.

Ao fazer uma pesquisa no YouTube encontramos milhares de vídeos de animais que estariam tentando cometer suicídio, mas será que isso é real ou estamos projetando comportamentos humanos nos animais?

A palavra suicídio vem do latim, sui que significa si mesmo e caederes, ação de matar, significa ação de acabar com a própria vida, de se matar, muitas vezes consequência de um sofrimento mental ou físico.

De acordo com bióloga Zélia Moreira, não se pode dizer que animais cometem suicídio, pois não são capazes de ter consciência de que a ação que estão tomando irá acabar com as dores e angústias. Zélia afirma que nem mesmo os animais mais evoluídos são capazes de ter essa consciência, apenas seres humanos.

Casos semelhantes 

Existem alguns casos e lendas que muitas pessoas consideram ser suicídio. Um exemplo é o mito de que um escorpião cercado por um círculo de  fogo, cravaria seu ferrão contra o próprio corpo. A explicação correta para o fenômeno é na verdade a desidratação do animal.

Também é associado ao ato de se matar, o caso do macho de algumas espécies, como a aranha e o louva deus, que após a cópula são comidos por sua parceira. Este acontecimento, não pode ser comparado ao suicídio, pois o animal visa perseverança da espécie na natureza, garantindo o alimento das crias que serão geradas. 

Doenças mentais

É possível dizer que animais podem desenvolver doenças mentais como o transtorno obsessivo compulsivo, depressão e ansiedade. Muitas vezes essas doenças são causadas por alterações na rotina ou um acontecimento traumático na vida do animal, como maus-tratos. 

Um animal que não está em condições adequadas de vida tem grandes tendências a desenvolver esses comportamentos. O estresse também pode  alterar o comportamento desse animal e ameaçar a sua vidaUm grande exemplo são as baleias do SeaWorld, mantidas em um espaço pequeno, além dos cansativos treinamentos para apresentações. Esses mamíferos frequentemente sofrem com crises de estresse e ansiedade.

Zélia afirma que animais selvagens devem ser mantidos em seu habitat. Ao mudar a  sua casa e deixá-los confinados como uma atração, estamos causando um mal muito grande e arruinando a vida destes seres. 

Cuidados 

Os animais domésticos também precisam de cuidados especiais para não desenvolverem transtornos. É necessário observar os comportamentos do seu animal doméstico e se dedicar a esse cuidado. Fique alerta a sinais de mudanças significativas como inatividade, perda de apetite, comportamentos repetitivos e destrutivos, tentativas de esconder ou fugir. 

A bióloga alerta que pets precisam ter espaço e não devem ficar confinados. Tudo isso alinhado a uma boa alimentação, são cuidados básicos para manter o animal saudável, diminuindo os riscos do desenvolvimento de uma doença mental.

Então se seu animal apresentar algum comportamento anormal, analise com atenção a sua rotina e se você está atendendo todas as suas necessidades.



Fonte: Anda - Maria Luísa



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

“Comida de humanos” pode até matar os pets! Veja os riscos dessa prática

Leia Mais