Notícias

Startup inglesa desenvolve tecnologia que degrada plástico em 2 anos

Compartilhe:     |  30 de julho de 2020

A startup inglesa Polymateria recebeu investimentos da plataforma ambiental Planey First Partners para financiar o desenvolvimento e lançamento de uma nova tecnologia capaz de destruir completamente resíduos plásticos.

Parte da I-HUB do Imperial College de Londres, a Polymateria criou um processo que desencadeia uma conversão química que ataca a estrutura dos plásticos mais usados no mundo.

O método transforma o plástico em uma espécie de cera que, segundo a empresa, não é prejudicial ao meio ambiente.

A cera é então mineralizada de forma  natural, pela ação de fungos e bactérias e se torna uma substância completamente biodegradável em dois anos, sem a geração de microplástico, ainda de acordo com a Polymateria.

Expansão global

O financiamento vai potencializar a expansão global da startup, da pesquisa e desenvolvimento desta nova tecnologia com o apoio ao time de cientistas, químicos e biólogos que estão trabalhando no projeto.

Além disso, o valor vai ser investido para a construção de fábricas modelo, produção e venda do produto.

Foto: Antoine Giret | Unsplash

“As alternativas biodegradáveis ao plástico acabam esbarrando na falta de compatibilidade com os sistemas de reciclagem, com a geração de microplásticos ou com problemas dos consumidores em relação ao seu descarte e uso. A transformação biológica do plástico resolver estes três problemas”, garante o CEO da Polymateria, Nial Dunne.

“Nós avaliamos muitas tecnologias ao longo destes anos e entedemos que a tenologia apresentada pela Polymateria é única, comprovada por testes independentes e valor relativamente baixo”, declarou o diretor da plataforma de financiamento Planet First Partners, Frédéric de Mévius, que passou a fazer parte da diretoria da startup.

“Já estamos vendo os resultados desta nova tecnologia e estamos ansiosos por expandir a atuação da Polymateria e ajudar a combater a poluição plástica”, declarou Frédéric.



Fonte: CicloVivo - Natasha Olsen



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Uma casa ambientada para você e seu pet

Leia Mais