Geografia Ambiental

Tempestades tropicais mais frequentes e intensas significam menos tempo de recuperação para as costas litorâneas do mundo

Compartilhe:     |  12 de outubro de 2019

Os ciclones tropicais – tempestades que trazem ventos e rotações fortes e rotativos, e que podem se intensificar em furacões ou tufões – afetam as regiões costeiras de todo o mundo. Nossa equipe de pesquisa, centrada no Instituto de Ciências Marinhas da Universidade da Carolina do Norte, analisou um registro de 120 anos de ciclones tropicais que afetam o litoral da Carolina do Norte e descobriu que seis das sete tempestades mais chuvosas nesse período ocorreram nas últimas duas décadas.

Essa tendência pareceu continuar com o furacão Dorian, que produziu até 25 cm de chuva em 24 horas enquanto passava pelas costas da Carolina do Norte e do Sul no início de setembro de 2019. Essa chuva adicional é o resultado combinado de um oceano mais quente e ciclones de movimento mais lento ou paralisados ​​que se aproximam da costa.

Tempestades tropicais mais frequentes e intensas têm impactos ecológicos de longo alcance nas costas que duram meses ou anos após a passagem das tempestades. Eles afetam estuários, baías e pântanos que são viveiros cruciais para as principais pescas do oceano.

Os pesquisadores ainda não sabem como vários eventos como esse afetam a estabilidade, a resiliência e a recuperação a longo prazo desses ecossistemas valiosos. Eu acredito que é fundamental entender o que esses impactos podem significar para a qualidade da água, de vital importância e habitat da pesca, com valor recreativo e de habitabilidade para residentes e visitantes locais.

A água carregada de solos, sedimentos, folhas em decomposição, poluentes e outros detritos flui dos rios New e White Oak e Adams Creek na Carolina do Norte para o Atlântico após o furacão Florence em 2018. Fonte: Observatório da Terra da NASA

Escoamento Sujo

Tempestades costeiras causaram danos generalizados nos últimos anos. Chuvas recordes foram associadas a ciclones recentes que atingiram o Golfo do México, o Caribe, o leste da China, a Coréia e o Japão e a costa sudeste da África. Essas tempestades causam danos à propriedade em larga escala, sofrimento humano e dificuldades econômicas. Sua frequência crescente também tem efeitos profundos nos estuários e nas águas costeiras que drenam suas bacias hidrográficas afetadas pelas enchentes rio acima.

À medida que as chuvas originadas de grandes tempestades tropicais fluem das regiões interiores elevadas em direção às planícies costeiras, carregam imensas quantidades de nutrientes, matéria orgânica dissolvida, sedimentos e poluentes urbanos, industriais e agrícolas. Isso sobrecarrega as bacias hidrográficas e os ecossistemas costeiros rio abaixo, que recebem essas descargas. Muitas dessas áreas costeiras já são influenciadas pelas atividades humanas em condições hidrológicas normais.

Impactos dos ciclones tropicais nas cargas de nitrogênio inorgânico dissolvido no estuário do rio Neuse, na Carolina do Norte, em relação aos padrões sazonais normais. Fonte: Paer et al., 2019., CC BY

Quando o excesso de nitrogênio e fósforo se acumula nos rios e baías, eles podem causar explosões recorrentes de algas com impactos em cascata, incluindo depleção de oxigênio, mortes de peixes e moluscos e interrupções na cadeia alimentar. Também existem impactos estéticos e econômicos prejudiciais, incluindo acúmulo de algas fedorentas em decomposição e perda de habitats recreativos e de pesca. Essas condições incomodam os moradores e podem afastar turistas, prejudicando a economia local.

Impactos Duradouros

Meus colegas e eu medimos nutrientes descarregados nos sistemas costeiros por décadas, coletando evidências de grandes tempestades como o furacão Floyd, que inundou grande parte da planície costeira da Carolina do Norte em 1999. Descobrimos que uma única tempestade pode descarregar tanto nitrogênio nas águas costeiras quanto eles receberiam durante um ano inteiro sem furacões.

O nitrogênio no escoamento de Floyd levou a um surto de algas que durou mais de um ano no Albemarle-Pamlico Sound, uma grande lagoa semi-fechada que fica entre os Outer Banks e o continente da Carolina do Norte. O Albemarle-Pamlico Sound, que cobre cerca de 5.000 quilômetros quadrados de águas abertas e drena seis rios, é o segundo maior estuário dos EUA depois da Baía de Chesapeake. Ele suporta até 80% da pesca recreativa e comercial nearshore e offshore no sudeste dos EUA e gera mais de US$ 4 bilhões em receitas anuais de turismo e renda residencial.

Existem apenas quatro pontos de venda, do Albemarle-Pamlico Sound ao Atlântico através dos Outer Banks, portanto, o intercâmbio é limitado com o oceano. Como resultado, a água da chuva que entra nos rios Albemarle-Pamlico Sound pode permanecer lá por cerca de um ano antes de desaguar no oceano. Essa taxa de descarga lenta permite ao sistema assimilar e alternar nutrientes e matéria orgânica, o que cria condições ideais para a proliferação de várias algas.

Sedimentos marrons entupiram os estuários costeiros que desaguam no Albemarle-Pamlico Sound uma semana após o furacão Floyd. Junto com a sujeira varrida pelas águas da enchente, os estuários se enchem de dejetos humanos e animais, fertilizantes e pesticidas. Fonte: Brian Montgomery, NASA GSFC.

As águas da enchente de Floyd continham uma mistura de matéria orgânica da erosão do solo das partes mais altas do rio, além do escoamento de águas pluviais urbanas e lavagem de pantanal, pântanos e zonas úmidas. A decomposição da matéria orgânica acabou causando um grave esgotamento de oxigênio nas áreas mais profundas de Albemarle-Pamlico Sound, criando uma zona morta inabitável para os moluscos, os caranguejos e os invertebrados que vivem no fundo e que suportam outras espécies de peixes. Essas condições estressantes também promoveram doenças em peixes e moluscos.

Medindo a Recuperação

Meu grupo de pesquisa está trabalhando para entender como os corpos d’água ecologicamente e economicamente importantes, como o Albemarle-Pamlico Sound, se recuperam desses eventos. Pode levar muitos meses ou anos para que esses sistemas se recuperem da qualidade da água e de rupturas de habitat em resposta a inundações de tempestades tropicais.

Nos últimos quatro anos, o Albemarle-Pamlico Sound passou por três grandes tempestades. Cada uma ocorreu quando os habitats e a qualidade da água ainda estavam se recuperando do evento anterior.

Um novo relatório da ONU confirmou que a mudança climática está tendo efeitos dramáticos generalizados nos oceanos do mundo. Um impacto é que as tempestades tropicais estão se tornando mais intensas, com aumentos de chuvas, erosão costeira e inundações.

Como as tempestades tropicais ocorrem com mais frequência, os ecossistemas costeiros ainda podem estar se recuperando quando a próxima tempestade ocorrer. É provável que isso prejudique a qualidade da água e as condições de habitat para peixes e animais selvagens. Fonte: Hans Paerl, CC BY-ND

Na minha opinião, é extremamente importante vigiar atentamente as águas estuarinas e costeiras que estão sendo afetadas pela crescente frequência e intensidade dos ciclones tropicais e outros tipos de tempestades, como as não-marinhas. Vejo a necessidade de aumentar o investimento na qualidade da água a longo prazo e no monitoramento de habitats em torno de recursos ecológicos e econômicos de importância crítica, como o Albemarle-Pamlico Sound.

Isso envolverá o acoplamento de estratégias de monitoramento “no solo”, como testes de água de barcos e outras plataformas, com sensoriamento remoto usando aviões e satélites, e com avançada previsão meteorológica futura e histórica. O uso de todos esses métodos permitirá que os cientistas avaliem os impactos ambientais e sociais de curto e longo prazo das tempestades e mensurem a recuperação e a resiliência ao longo da costa. Esse tipo de informação é fundamental para tomadas de decisões de gerenciamento, pois tempestades mais frequentes e intensas atingem as costas de todo o mundo.

Fonte: The Conversation / Hans Paerl
Tradução: Redação Ambientebrasil / Maria Beatriz Ayello Leite
Para ler a reportagem original em inglês acesse:
https://theconversation.com/more-frequent-and-intense-tropical-storms-mean-less-recovery-time-for-the-worlds-coastlines-123335



Fonte: Ambiente Brasil



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Dia das crianças: não dê animal de presente!

Leia Mais