Notícias

Temporada quente não é sinônimo de pele com acne, queimaduras ou manchas

Compartilhe:     |  20 de janeiro de 2020

O começo da temporada de praia, banho de mar ou piscina é muito aguardada por boa parte dos cariocas, que se preparam para tirar a barraca e as cadeiras do armário para passear nas areias quentes do verão. Mas por trás da calmaria e do bronzeado das férias, o sol também traz uma grande preocupação para os banhistas: as doenças de pele típicas da época. Sem os devidos cuidados, os prazeres da estação podem se tornar verdadeiros pesadelos.

As preocupações com a pele no verão envolvem, principalmente, quatro doenças, segundo a dermatologista Iwyna França.

“Os banhistas devem ficar atentos a queimaduras, acne solar, queimadura com frutas cítricas e pano branco. Se não tomar os devidos cuidados, o verão pode ter menos exposição ao sol, principalmente nos dois primeiros casos”, explicou.

Para quem tem crianças, uma das preocupações é o bicho geográfico, larva que habita o intestino de cães e gatos. Ele se infiltra na pele após contato com a areia contaminada pelos animais domésticos, e deixa um rastro vermelho ao percorrer o corpo.

Outra doença comum é a brotoeja, causada por inflamação e obstrução das glândulas sudoríparas, caracterizada por manchas vermelhas e coceira, geralmente em locais de dobra no corpo, como pescoço, rosto e área genital. Nesses casos, o recomendado é borrifar água termal e deixar a região para respirar.

Cuidado no cotidiano

A maioria das doenças comuns no verão podem ser prevenidas com hábitos do cotidiano. “A primeira recomendação é utilizar protetor solar, tanto na pele quando no couro cabeludo, e aplicar pelo menos 30 minutos antes da exposição ao sol, com reposição a cada 2 horas”, concluiu Iwyna.

Cuidados para um verão sem perrengue

Os cuidados com a pele no verão são essenciais, mas nem sempre são a única forma de prevenção. A hidratação também é um ponto importante, e todo o cuidado é pouco. A dermatologista recomenda que seja tomada água de uma fonte segura de empresas conhecidas no mercado e ingerir, no mínimo, dois litros de água por dia. Além de investir em sucos de frutas e água de coco. Na alimentação, a recomendação é optar por alimentos mais leves e frescos.

Mesmo antes de sair da praia, os cuidados continuam. “Enquanto tira a areia dos pés, o banhista não pode deixar de tomar uma ducha de água doce e, chegando em casa, deve utilizar sabonete líquido, para não agredir tanto a pele, e usar hidratante até três minutos após o banho”, instruiu Iwyna.

Quem curte as férias em outras paragens também deve tomar cuidado. “Quem vai para o campo não pode bobear, porque ainda tem terra, animal e sol. Nesses locais, deve-se tomar mais cuidado com o repelente por conta dos mosquitos que transmitem dengue e febre amarela”, explicou a dermatologista. Na alimentação, ela recomenda o consumo de alimentos verde-escuros, como brócolis, couve e espinafre que, por terem muita vitamina B1, consumidas em grande quantidade, podem produzir odor que ajuda a repelir mosquitos.



Fonte: O Dia - Reportagem da estagiária Julia Noia



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

PETA quer banir o uso do termo “animal de estimação” por ser depreciativo para os animais

Leia Mais