Notícias

Toxinas de pisos e móveis podem contaminar crianças. Entenda!

Compartilhe:     |  27 de fevereiro de 2019

Os pais tentam proteger as crianças de tudo e de todos, principalmente nos primeiros anos de vida. Mas como imaginar que o inimigo pode estar dentro de casa, mais perto do que poderia imaginar? Um estudo norte-americano descobriu que toxinas presentes em determinados tipos de pisos e móveis podem ser passadas para os pequenos.

Para isso, os pesquisadores examinaram 203 crianças de 190 famílias. Elas passaram por testes de produtos químicos – os chamados compostos orgânicos semi-voláteis (ou SVOCs) – no sangue ou na urina. Dentro das casas, ainda foram analisadas amostras de ar, poeira e partículas coletadas de móveis. “Nosso principal objetivo era investigar as ligações entre produtos específicos e a exposição da crianças”, explica a líder do estudo, Heather Stapleton, química ambiental da Escola do Meio Ambiente da Duke University.

“Esses compostos orgânicos são amplamente utilizados em eletrônicos, móveis e materiais de construção e podem ser detectados em quase todos os ambientes internos. A exposição humana a eles é generalizada, especialmente para crianças pequenas, que passam a maior parte do tempo em ambientes fechados e têm maior sensibilidade a substâncias químicas encontradas na poeira doméstica. No entanto, tem havido pouca pesquisa sobre isso”, explica.

O que essas toxinas podem causar?
Os pesquisadores descobriram que as crianças que moravam em casas em que o sofá continha éteres difenil-polibromados retardadores de chama em sua espuma tinham uma concentração seis vezes maior de toxinas no sangue. A exposição a elas tem sido associada, em testes de laboratório, atrasos no desenvolvimento neurológico, obesidade, distúrbios endócrinos e da tireoide, câncer e outras doenças.

Já as crianças que moram em residências com piso vinílico em todas as áreas apresentaram concentrações de metabólito de ftalato de benzila e butila em sua urina 15 vezes maiores do que em crianças que moravam em residências sem piso de vinil. O ftalato é uma espécie de plastificante usado frequentemente para pisos e está associado a distúrbios respiratórios, irritações da pele, mieloma múltiplo e distúrbios reprodutivos.

O estudo foi apresentado em fevereiro na reunião anual da Associação Americana para o Avanço da Ciência, em Washington, DC, nos Estados Unidos.



Fonte: Revista Crescer



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Projeto de lei ‘Animal não é coisa’ é aprovado pelo Senado

Leia Mais