Notícias

Tubarões são fundamentais para ajudar os ecossistemas a se recuperarem de eventos climáticos extremos

Compartilhe:     |  11 de abril de 2021

As conclusões vieram depois que os cientistas conseguiram determinar a importância do predador alfa para um ecossistema único

De acordo com um novo estudo, os tubarões são fundamentais para ajudar os ecossistemas a se recuperarem de eventos climáticos extremos.

As conclusões vieram depois que os cientistas conseguiram determinar a importância do predador alfa para um ecossistema único após uma extrema onda de calor marinho em 2011, que dizimou um quarto de um dos maiores e mais biodiversificados prados de algas marinhas do mundo em Shark Bay, no oeste da Austrália.

Uma equipe de especialistas da Universidade Internacional da Flórida (FIU), da Universidade de Washington e da Universidade Deakin na Austrália, soube de um estudo anterior como os tubarões tigre da baía protegiam os prados alterando o comportamento dos dugongos e tartarugas, que se alimentam das algas marinhas, em padrões de alimentação menos destrutivos. Eles queriam saber o que aconteceria se não houvesse tubarões.

“Queríamos uma resposta à pergunta: a ausência de grandes predadores pode agravar os efeitos da mudança climática”, disse Rob Nowicki, autor principal e membro de pesquisa do Laboratório Mote Marine, que conduziu o estudo como estudante de doutorado na FIU. “Pode causar uma situação já de si ruim, e piorar”?

Após a onda de calor, que destruiu o dossel de algas, grande parte da população de dugongos deixou temporariamente a baía, preparando o cenário para uma experiência de campo única. Em um artigo publicado no Journal of Animal Ecology, os cientistas explicam como utilizaram uma área danificada da baía, onde novas ervas marinhas resistentes ao calor haviam crescido, como seu laboratório.

Usando cálculos baseados na taxa de pastagem de dugongos quando os tubarões estão ausentes, eles foram capazes de imitar artificialmente a taxa de alimentação. Mergulhadores com colher de pedreiro reproduziram os padrões de pastagem dos dugongos, periodicamente escavando as ervas marinhas recém-criadas, uma prática que os cientistas chamavam de jardinagem subaquática.

“Isto nos permitiu imitar o comportamento que os dugongos teriam se os tubarões da baía desaparecessem magicamente, ou fossem pescados em excesso”, disse Nowicki.

Eles descobriram que o mais importante e maior dossel de algas não se recuperou, porque estava sendo perturbado com demasiada frequência pelo pastoreio dos mergulhadores. A pesquisa mostra que quando os principais predadores desaparecem, não apenas a estrutura do ecossistema se quebra, mas a taxa de alimentação dos herbívoros torna impossível a recuperação.

“É provável que isto esteja acontecendo em lugares que não tiveram 15 anos de estudo e não tiveram este evento climático”, disse Nowicki. “Estamos defendendo que a proteção das espécies predadoras e a manutenção destas relações entre espécies pode realmente levar à resiliência a estes eventos”

O Dr. Mike Heithaus, biólogo marinho da Universidade Internacional da Flórida e coautor do trabalho, que estudou a baía por duas décadas, disse: “Quando tudo está bem, podemos não perceber o quão importantes são os predadores”. Mas quando as coisas dão errado – como um evento climático – é quando você pode ver a importância dos predadores”.

“Os tubarões-tigre estão protegendo as ervas marinhas de serem usadas. A grande erva marinha não é o alimento preferido dos dugongos, que é a pequena erva marinha que se move quando há um distúrbio. Mas descobrimos que as maiores ervas marinhas na maioria das vezes não voltam quando são perturbadas pelo pastoreio”.



Fonte: Anda - Jade Goncalves



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Lei que proíbe piercings e tatuagens em animais é sancionada no Distrito Federal

Leia Mais