Notícias

UFPB conta com 166 docentes entre os que mais produzem pesquisas no país

Compartilhe:     |  19 de janeiro de 2020

A Universidade Federal da Paraíba (UFPB) conta com 166 docentes entre os que mais produzem pesquisas no país. Os dados foram divulgados, na última segunda-feira (13), pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

De acordo com o professor José Maria Barbosa Filho, do Programa de Pós-Graduação em Produtos Naturais e Sintéticos Bioativos (PPGPNSB) da UFPB, atualmente a instituição possui 2862 professores, com 75% deles possuindo o título de doutor.

“Isso é motivo de muito orgulho para a UFPB. Nesse momento de crise e cortes, temos tantos membros do corpo docente no staff de pesquisadores do CNPq”, destaca o professor.

A professora Bagnólia Costa é a mais nova pesquisadora a entrar nesse rol de produtividade do CNPq. Com ela, aumentou para 70% o número de docentes da pós em Produtos Naturais e Sintéticos Bioativos da UFPB que possuem bolsas e incentivos para pesquisa do conselho.

“Esse ganho tem uma importância muito grande, porque mostra nossa produtividade científica e administrativa. Já tinha sido agraciada entre os anos de 2009 e 2015, mas passei cinco anos sem fazer parte. Foram centenas de dias focando no trabalho e agora conseguimos, com um projeto que tinha sido desconsiderado em um programa anteriormente”, comemora a pesquisadora.

Para Bagnólia Costa, que estuda como a alga spirulina combate a disfunção erétil em ratos com dieta hipercalórica, a trajetória científica é de persistência e o êxito surge até em programas mais competitivos e difíceis, como o de Farmacologia – que ela se encontra atualmente.

“Provamos que a atuação da spirulina melhora a disfunção erétil, inclusive a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) já registrou como um alimento funcional. Agora, vamos explorar o mecanismo de ação e o intuito é chegar a disponibilizar para os seres humanos como uma atividade terapéutica”, enfatiza.

Dificuldades

Mesmo obtendo resultados benéficos para a sociedade, a pesquisa científica brasileira vem sofrendo com contingenciamentos. Medidas adotadas pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal do Ensino Superior (Capes), em março do ano passado, comprometeram a expansão das pesquisas, como congelamento e suspensão de remanejamentos internos de bolsas e adiamento de fomento para a pós-graduação neste ano.

Somente em maio do ano passado, das 1.211 bolsas dos pós-graduandos da UFPB, 290 foram cortadas, sendo 185 de mestrado e 105 de doutorado. Assim, cerca de 25% das bolsas para a pós-graduação foram perdidas.

Programas Tops

Dos 78 Programas de Pós-graduação da UFPB, o de Linguística e o de Produtos Naturais e Sintéticos Bioativos se destacam, porque possuem conceito 6 da Capes. O máximo é 7, segundo a fundação vinculada ao Ministério da Educação (MEC).



Fonte: Ascom/UFPB



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

PETA quer banir o uso do termo “animal de estimação” por ser depreciativo para os animais

Leia Mais