Notícias

Um quarto das espécies de abelhas conhecidas não foram registradas novamente desde 1990

Compartilhe:     |  7 de fevereiro de 2021

Estudo global descobriu que o número de espécies relatadas na natureza caiu drasticamente entre 1990 e 2015

O número de espécies de abelhas selvagens registradas por um banco de dados internacional da vida na Terra diminuiu em um quarto desde 1990, de acordo com uma análise global do declínio das abelhas.

Os pesquisadores analisaram registros de abelhas nos museus, universidades e cientistas, coletados pelo Global Biodiversity Information Facility (GBIF), uma rede global financiada pelo governo que fornece dados de acesso aberto sobre a biodiversidade.

Eles encontraram um declínio acentuado nas espécies de abelhas registradas desde 1990, com aproximadamente 25% menos espécies relatadas entre 2006 e 2015 do que antes da década de 1990.

Embora isso não signifique que essas espécies estejam extintas, pode indicar que algumas se tornaram tão raras que não são mais observadas regularmente na natureza.

“Com a ciência cidadã e a capacidade de compartilhar dados, os registros estão crescendo exponencialmente, mas o número de espécies relatadas nesses registros está diminuindo”, disse Eduardo Zattara, o autor principal e biólogo da Universidade Nacional de Comahue e do Conselho de Pesquisa Nacional Científica e Técnica Argentina (Conicet). “Ainda não é um cataclismo das abelhas, mas o que podemos dizer é que as abelhas selvagens não estão exatamente prosperando.”

Uma série separada de estudos científicos sobre o declínio global de insetos neste mês alertou que a abundância de insetos estava caindo entre 10 e 20% a cada década, uma perda “absolutamente assustadora” que ameaçava “rasgar a tapeçaria da vida”.

Nos Estados Unidos, um estudo em 2020 descobriu que a falta de abelhas nas áreas agrícolas estava limitando o fornecimento de algumas safras de alimentos. Na Grã-Bretanha, o governo permitiu neste mês que os agricultores usassem neonicotinoides nas plantações de beterraba sacarina, apesar dos pesticidas que matam as abelhas terem sido proibidos em toda a União Européia em 2018 com o apoio do Reino Unido.

O novo estudo, publicado na revista “One Earth”, analisou registros de três séculos de coleções que incluem mais de 20.000 espécies de abelhas conhecidas em todo o mundo.

Descobriu-se que os declínios não foram uniformemente distribuídos pelas famílias de abelhas. Enquanto os registros de abelhas Halictid, a segunda família mais comum, diminuíram 17% desde a década de 1990, os de Melittidae – uma família muito mais rara – despencaram em mais de 41%.

Os cientistas alertaram que a falta de dados científicos sobre o declínio de insetos em países tropicais está dificultando sua compreensão do declínio global de abelhas, com a maioria dos registros do GBIF cobrindo a América do Norte e a Europa.

Os autores do estudo reconheceram que o declínio nas espécies pode, em parte, refletir mudanças na coleta de dados do GBIF ao longo do tempo ou o caráter heterogêneo de seus conjuntos de dados.

Zattara disse que embora seu estudo não tenha estabelecido o status de espécies de abelhas individuais, ele mostrou uma tendência global clara com uma diversidade decrescente de espécies, provavelmente indicando declínios globais em abelhas e outros polinizadores.

“Trata-se de confirmar que o que está acontecendo localmente está acontecendo globalmente”, disse ele. “E também, sobre o fato de que uma certeza muito melhor será alcançada à medida que mais dados forem compartilhados com bancos de dados públicos.”

Ele alertou que esperar por mais dados para confirmar com mais precisão o tipo de abelha e outros declínios de polinizadores pode demorar muito para salvá-los.

“Algo está acontecendo com as abelhas e algo precisa ser feito. Não podemos esperar ter certeza absoluta porque raramente chegamos lá nas ciências naturais”, disse ele. “O próximo passo é estimular os legisladores a agir enquanto ainda temos tempo. As abelhas não podem esperar.”



Fonte: Anda - Mayte Cav



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Alimentação natural para cães: dicas e cuidados

Leia Mais