Notícias

Utensílios reutilizáveis são seguros durante pandemia, afirmam cientistas

Compartilhe:     |  3 de julho de 2020

Com a adoção massiva de medidas higiênicas para conter o novo Coronavírus, o uso do plástico descartável – que nunca saiu de cena – voltou a ganhar força. Entretanto, um grupo de cientistas declarou que utensílios reutilizáveis ​​não aumentam o risco de transmissão. É um esforço para conter a sanha do lobby dos plásticos.

Virologistas, epidemiologistas, biólogos, químicos e médicos estão entre os profissionais que dão o alerta. Eles afirmam que itens descartáveis não são inerentemente mais seguros do que os reutilizáveis ​​e que, estes últimos, podem ser usados com segurança durante a pandemia desde que se empregue a higiene básica.

A declaração foi assinada por mais de 120 especialistas de 18 países diferentes e é voltada para varejistas e consumidores. Representando o Brasil está Saulo Delfino Barboza, professor titular do Programa de Mestrado Profissional em Saúde e Educação da Universidade de Ribeirão Preto.

Pressão por descartáveis

Nos Estados Unidos, lobistas do setor de plástico já em março pressionavam para revogação da proibição de itens descartáveis. Enquanto em São Paulo, no mês seguinte, uma liminar do Tribunal de Justiça suspendeu a lei municipal que proíbe copos, pratos e talheres de plástico na capital. Já no Distrito Federal a Justiça manteve a lei que proíbe canudos e copos plásticos, após ação da Associação Brasileira da Indústria de Material Plástico (Abiplast).

Se por um lado a indústria de plásticos pressiona, por outro é inegável que a crise de saúde pública forçou novos hábitos higiênicos -, incrementando inclusive tarefas de limpeza na volta ao supermercado. Foi com base nas discussões desencadeadas ate então que os cientistas ressaltaram a segurança dos itens reutilizáveis.

Descartáveis versus reutilizáveis

Abaixo, você confere os principais trechos da carta assinada pelos cientistas:

De acordo com os Centros dos EUA para Controle e Prevenção de Doenças (CDC), “acredita-se que o vírus se espalhe principalmente de pessoa para pessoa e entre pessoas que estão em contato próximo. Sobretudo, por meio de gotículas respiratórias produzidas quando uma pessoa infectada tosse, espirra ou fala”.

Embora “seja possível que uma pessoa possa pegar o Covid-19 tocando uma superfície ou objeto que contenha o vírus e tocando sua própria boca, nariz ou possivelmente seus olhos”, as gotas em aerossol são o único método documentado de transmissão de Covid-19 até agora.

zero plástico

Foto: Good Soul Shop: Unsplash

Além disso, água e sabão são a melhor forma de remover o vírus seja para lavar louça, vestuário – assim como as próprias mãos.

Os especialistas ainda listam recomendações no cuidado dos utensílios de reutilizáveis ​​em espaços de varejo. Basicamente, a ideia é seguir os padrões higiênicos já previstos em lei, que já são bastante rigorosos, e adotar práticas adicionais para a Covid-19.

Os especialistas ainda reforçam a importância de proteger os trabalhadores, o que inclui o fornecimento de EPI, além de ressaltar que somente clientes devem manusear seus próprios itens reutilizáveis ​​ao consumir em lojas. Confira a declaração completa, em inglês.

O alerta é especialmente importante neste mês de julho onde organizações se unem para conscientizar e dar dicas de como reduzir o uso de plástico. Conheça o movimento: Campanha desafia brasileiros a reduzirem o uso de plástico descartável.



Fonte: CicloVivo - Marcia Sousa



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Uma casa ambientada para você e seu pet

Leia Mais