Notícias

Vegetarianos, hereges no Uruguai, o país mais carnívoro do mundo

Compartilhe:     |  5 de julho de 2014

O Uruguai, campeão mundial do consumo de carne bovina, com 60 quilos por pessoa ao ano, acaba de comemorar seu Dia Nacional da Carne, uma festa que não é celebrada pela minoria vegetariana local, um grupo de “hereges” que procura se fortalecer no país.

“Quando um uruguaio diz que não come carne, parece que está atacando a tradição, é como um herege”, afirmou à Agência Efe Hiram Miranda, que administra um restaurante vegano em um bairro de Montevidéu.

A tradição no país seria o prato típico nacional, o chivito, elaborado à base de carne e ovo, ou um costume pátrio, domar cavalos selvagens na chamada Semana Crioula, que lembra os costumes dos gaúchos e que para os veganos representa um claro exemplo de maus-tratos animal.

“Essas tradições, todos os veganos veem como uma atrocidade, porque envolvem escravidão e uma submissão desnecessária do animal”, disse à Agência Efe Andrés Prieto, presidente da União Vegetariana do Uruguai (UVU).

Para este ativista, “ser vegano no Uruguai é um desafio”, já que o país “vive há mais de um século às custas dos animais”, através da pecuária, da indústria da carne e da produção de matérias-primas de origem animal como o couro e a lã.

No Uruguai se estabeleceu no século passado uma importante indústria da carne com os frigoríficos, onde se trabalhava a carne e inclusive muitos funcionários recebiam, além de seu salário, um pagamento em espécie com vários quilos de carne por semana para alimentar suas famílias.

Além disso, os produtos animais compõem uma parte importante do volume de exportações que a pequena nação sul-americana comercializa ao mundo.

Assim, a carne bovina, o leite, a nata, o queijo, a lã e o couro integram a lista das principais exportações do Uruguai para outros países, segundo dados do Instituto de Promoção dos Investimentos e Exportações Uruguai XXI.

Em 2013, as exportações de carne bovina congelada uruguaia fora de mais de US$ 935 milhões, aos quais se somam oUS$ 467 milhões do leite e a nata, US$ 255 milhões dos queijos e do requeijão, US$ 144 milhões da lã e US$ 138 milhões do couro e da pele curtida.



Fonte: Exame - Efe - María Sanz



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Como restaurar o equilíbrio intestinal de cães e gatos

Leia Mais