Notícias

Veneno de rato é encontrado nos corpos de 80% das águias americanas

Compartilhe:     |  19 de abril de 2021

O veneno de rato foi encontrado nos corpos de cerca de 80% das águias americanas, de acordo com um novo estudo da Universidade da Geórgia.

Ao examinar os cadáveres de águias douradas e carecas encontradas entre 2014 e 2018, os cientistas foram capazes de determinar que a maioria delas teve exposição ao veneno. Isso incluiu 96 das 116 águias americanas estudadas e 13 das 17 águias douradas.

O veneno descoberto foi um rodenticida anticoagulante, que é marcado nos Estados Unidos como d-Con ou Havoc. O consumo de ratos, que são uma importante fonte de alimento para águias, é considerado pelos pesquisadores como responsável pela ingestão inadvertida do veneno de rato.

De acordo com o Laboratório de Saúde da Vida Selvagem da Universidade Cornell, os rodenticidas anticoagulantes para diluir o sangue interferem na ativação da vitamina K, que é crítica na produção de coagulação do sangue no fígado.

Se ingerido em quantidades significativas, pode resultar em sangramento espontâneo, que pode ser interno ou externo, e pode aparecer em hematomas generalizados, urina ou fezes com sangue e de outras maneiras. Em alguns casos, pode ocorrer morte por choque cardiovascular.

Mark Ruder, professor assistente do Southeastern Cooperative Wildlife Disease Study da Faculdade de Medicina Veterinária da UGA, disse à CNN que o veneno de rato pode permanecer por anos nos corpos das aves.

“Embora as vias exatas de exposição permaneçam obscuras”, disse Ruder à CNN, “as águias provavelmente estão expostas por meio de suas atividades predatórias e necrófagas”.

Scott Edwards, diretor de estudos de pós-graduação e professor de zoologia da Universidade de Harvard, considerou desnecessário o uso de veneno de rato para matar roedores e disse à CNN que o amplo uso do veneno foi responsável por “matar algumas de nossas espécies de aves mais majestosas”.

“Os humanos precisam entender que, quando esses compostos entram no meio ambiente, eles causam danos horríveis a muitas espécies, incluindo nosso símbolo nacional, a águia careca”, disse Edwards.

A desaceleração da caça excessiva e do envenenamento por inseticida, que causou uma redução drástica na população de águias na década de 1960, ajudou seus números a quadruplicar entre 2009 e 2019 para mais de 300.000 atualmente nos EUA, removendo as aves da lista de espécies ameaçadas de extinção.

O repovoamento foi ajudado pelo aumento da regulamentação federal dos Serviços de Pesca e Vida Selvagem dos Estados Unidos, junto com proteções estaduais e municipais como a Lei da Águia, a Lei do Tratado de Aves Migratórias e a Lei Lacey.



Fonte: Anda - Laura de Faria e Castro



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

O pet precisa de suplementação alimentar equilibrada

Leia Mais