Artigos

Vinhos verdes e sustentabilidade

Compartilhe:     |  20 de junho de 2020
Por Suzamara Santos
Uma palavra relativamente recente e que não vai sair do nosso vocabulário tão cedo (talvez nunca) é “sustentabilidade”. Ela está presente em quase todas as pautas atuais e ancoram debates eloquentes que versam sobre ecologia, meio ambiente, aquecimento global etc. Na enologia, os “vinhos sustentáveis” já são realidade e vêm se somar, em boa medida, aos chamados vinhos verdes, compostos até aqui pelos vinhos orgânicosbiodinâmicos e naturais.

Canguru passeia pelos vinhedos da Austrália: país destaca-se pela opção ecológica

São categorias que flertam com a ética e com as boas práticas de cultivo. Porém, há diferenças pontuais entre eles. Recordando: vinho orgânico remete ao cultivo orgânico de plantas. Não há uso de insumos químicos, pesticidas, adubos industriais e qualquer agrotóxico. Já no processo de vinificação, ou seja, dentro da vinícola, continuam valendo os recursos e as estratégias consagradas da enologia, como correção de acidez, chaptalização, uso leveduras especiais e assim por diante.

Já o vinho biodinâmico, além das práticas orgânicas no cultivo da uva e tratamento da terra, acrescenta-se um viés filosófico, emprestado da antroposofia do austríaco Rudolf Steiner, que vê o mundo como um organismo único interligado. Esse olhar holístico, inclui a atenção às fases da lua, ciclos naturais das estações e harmonia no dentro e no entorno da vinícola. Quanto à elaboração do vinho, aqui também não há restrições às práticas tradicionais da enologia.

Com os vinhos naturais, a coisa muda de figura. A opção pela agricultura orgânica prevalece e uma espécie e “purismo” é estendido aos métodos de vinificação. A ideia é obter um vinho o mais fiel possível ao terroir e, para isso, a aposta é na mínima interferência do homem na uva. Dispensam o uso de leveduras importadas, filtragem, madeira e, principalmente, conservantes químicos como os sulfitos.

Couro feito de resíduos de uvas criado pelo arquiteto italiano Gianpierro Tessitore

Pelas ligeiras descrições acima já podemos deduzir que, apesar o interesse que despertam os vinhos orgânicos, biodinâmicos e naturais ainda são de baixa produção, alguns nem chegam ao mercado (são vendidos direto na vinícola), outros escalam as gôndolas comerciais a preços pouco convidativos.

Por fim, temos os vinhos sustentáveis. Aqui, interessa viabilizar a produção de vinhos de qualidade, tendo como compromisso o bom uso dos recursos naturais. Entenda por isso, uso de energia eólica, aquecimento solar, exploração inteligente da iluminação natural, instalações arejadas para diminuir o uso de ar condicionado, economia e reaproveitamento de água e por aí vai. Como se vê, dialoga com as práticas já preconizadas no mundo moderno.

Há um investimento alto para adaptar (ou erguer do zero) instalações às metas de sustentabilidade. Mas, em médio ou longo prazo, o investimento se mostra vantajoso. Nessa vertente, busca-se, justamente, a economia de gastos e o barateamento da produção e distribuição do vinho ao mercado consumidor. Não por acaso, os vinhos sustentáveis são apontados como a opção mais segura, tanto para quem produz como para quem consome. É bom que seja assim. Segue um resumo das práticas adotadas na sustentabilidade

Choro da videira: início do processo produtivo após poda

VINHOS SUSTENTÁVEIS*

– Cuidado com toda a cadeia produtiva do vinho, do plantio das uvas até os procedimentos de vinificação.

– Opção pela agricultura orgânica, visando o bom uso da terra, abolindo uso de insumos químicos, como agrotóxicos e pesticidas.

– Uso inteligente de tecnologia, buscando reduzir o uso de água, economizar energia e diminuir ou zerar a dependência de combustível fóssil etc.

– Uso de  materiais recicláveis em embalagens e rótulos, garrafas mais leves e redução de lixo orgânico descartável. Aqui, há iniciativas bem-sucedidas, como transformar os resíduos da uva em couro ecológico, adubo ou ração animal.

– Por fim, investir no bem-estar dos trabalhadores da terra e demais funcionários da empresa, pois eles também são importantes na cadeia produtiva. A Austrália é um dos países que vem se destacando na produção de vinhos sustentáveis.

*Volto em breve a esse tema, com dicas de vinhos sustentáveis disponíveis no mercado brasileiro



Fonte: Campinas



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

“Comida de humanos” pode até matar os pets! Veja os riscos dessa prática

Leia Mais