Notícias

Washington pode se tornar o primeiro estado a compostar os mortos

Compartilhe:     |  18 de janeiro de 2019

Novo projeto de lei quer transformar o costume de enterrar e cremar os falecidos em uma prática mais sustentável. O que você acha?

Washington pode se tornar o primeiro estado a legalizar a prática de compostagem de pessoas mortas. O método, chamado de “recomposição”, depende da aprovação de um projeto do senador estadual Jamie Pedersen, mas já tem sido chamado de “enterro verde”.

Atualmente as únicas práticas legalizadas após a morte de um organismo humano são o enterro tradicional e a cremação. Esses processos, entretanto, têm uma pegada ecológicasignificativa: os terrenos para os enterros consomem grandes áreas urbanas e poluem o ar e o solo com produtos do embalsamento.

Benefícios

Os defensores da compostagem humana afirmam que ela pode ser muito benéfica para a sociedade como um todo, pois, diferente da cremação e do enterro, ela permite a rápida decomposição e a conversão dos restos mortais em nutrientes para o solo, que se torna capaz de suportar outras formas de vida como árvores, flores, etc.

A empresa Recompose, responsável pela iniciativa, afirma que cobra U$ 5,500 para realizar a compostagem de cada organismo.

Como funciona

A compostagem humana acontece dentro de suportes reutilizáveis. Quando ela termina, a família do falecido pode levar para casa uma parte do húmus gerado, que teria a mesma função simbólica das cinzas da cremação. A outra parte, comporá os jardins do “cemitério”.

Recompose foi fundada em 2017 pela empresária Katrina Spade, que anteriormente liderou o Urban Death Project, que adotava objetivos semelhantes: tornar os rituais de despedida em práticas mais sustentáveis ??e acessíveis para os americanos.

Lynne Carpenter-Boggs, professora de Agricultura Sustentável e Orgânica na Washington State University, é a chefe de pesquisa da Recompose.

O processo utiliza um casulo cheio de palha e lascas de madeira. Os micróbios termofílicos (que gostam de calor) metabolizam os restos humanos, mantendo uma temperatura interna de 55°C. Todo o processo leva em torno de um mês e produz um metro cúbico de composto.

Mas há alguns impedimentos: materiais não orgânicos, como quadris e mamas artificiais, são reciclados, não compostados. Além disso, alguns setores religiosos fazem resistência contra tal prática. E você? O que acha?



Fonte: MSN



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Por que os cães bebem muita água?

Leia Mais