Notícias

Xô, ressaca: médicos explicam o que acontece com o corpo depois da bebedeira

Compartilhe:     |  1 de janeiro de 2020

Ao comemorar a chegada de um novo ano, muitas pessoas acabam exagerando no consumo de bebidas alcoólicas. O resultado disso é uma forte ressaca no primeiro dia de janeiro. Essa condição — caracterizada por sintomas como dor de cabeça, tontura, náusea, sede, tremores e palidez — ocorre porque o corpo fica intoxicado por uma substância produzida em nosso organismo a partir da digestão do álcool.

— Alguns minutos após sua ingestão, a bebida alcoólica é metabolizada pelo fígado e se transforma em substância tóxica, o acetaldeído, e o corpo humano tenta se livrar dele o mais rápido possível — explica Tiago Barros, assessor médico em Hematologia do Labs a+.

— Se a pessoa acordou com ressaca, também é fundamental beber bastante líquido. A água e água de coco são grandes aliadas para aliviar os sintomas da ressaca. Frituras e alimentos gordurosos devem ser evitados. O melhor é investir numa alimentação mais leve, com carnes magras, verduras, legumes frescos crus ou cozidos, alimentos integrais e frutas — indica Myrna Campagnoli, médica endocrinologista do Bronstein Medicina Diagnóstica.

Além da ressaca, o álcool interfere também na concentração e no aprendizado, sendo fator de risco para alguns tipos de câncer como fígado, cólon (intestino grosso) e esôfago, e leva à lesão hepática ou pancreática aguda ou crônica.

— O álcool atrapalha a absorção de nutrientes fundamentais ao nosso organismo, podendo causar desnutrição grave. Também está relacionado a alterações no metabolismo ósseo, como osteopenia e osteoporose. É causa de disfunção erétil no homem, infertilidade em ambos os sexos e sangramentos uterinos fora do período menstrual na mulher — alerta Tiago.

Por serem extremamente calóricas, as bebidas alcoólicas podem levar ao ganho de peso e atrapalhar no controle do diabetes e do sobrepeso.

Bebida pode provocar dependência

Apesar de ser um tipo de droga legalizada e muito usada socialmente, o uso frequente de bebidas alcoólicas pode levar a situações de abuso e dependência química.

— Quando os sintomas do uso do álcool começam a demorar a aparecer ou ficam amenizados, isso significa que o organismo está acostumado com a substância. É um sinal de alerta e não significa que a pessoa é mais resistente ao álcool — afirma Myrna, que complementa:

— Além da preocupação com a dependência, temos que lembrar que o álcool vai causando danos aos órgãos internos. O cérebro pode ser afetado, diminuindo a capacidade de concentração e atenção, causando perda de memória e de reflexos. Pode causar tanto sonolência quanto insônia. Em situações de um consumo extremamente abusivo, pode causar coma e até a morte.

Vale lembrar também que gestantes não devem consumir bebidas alcoólicas, pois o álcool é maléfico para o bebê.

E a mistura entre energético e bebidas alcoólicas — perigosa e comum entre os jovens — também deve ser evitada.

— A cafeína e a taurina, estimulantes presentes nos energéticos, faz com que as pessoas se sintam mais despertas, propensas a beber mais. O combo causa aumento do trabalho cardíaco — finaliza Tiago.

Como a ressaca acontece*

Primeiros goles

O álcool vai para o estômago, é absorvido e começa a ser transportado pela corrente sanguínea. Neste momento, ele chega ao fígado e é transformado em substâncias que são tóxicas para o organismo.

10 primeiros minutos

A bebida vai se transformar numa substância chamada acetaldeído. O corpo faz de tudo para se livrar dela o mais rápido possível. Essa substância é resultado da ação de algumas enzimas presentes no fígado para destruir a molécula do álcool.

Tipo vinagre

Se a quantidade de consumo de álcool for pequena, o nosso corpo tem a capacidade de metabolizar esse acetaldeído e transformá-lo numa espécie de vinagre, que não é tóxico. Mas a quantidade de enzimas que existem no organismo para transformar esse aldeído em vinagre é muito pequena.

Grande quantidade

Se a pessoa consome uma quantidade grande de álcool, em pouquíssimo tempo, vai acumular uma substância que é super tóxica. Em torno de 20 a 30 minutos depois que se começa a consumir o álcool, os efeitos já são notados. Após algumas doses, essa substância tóxica atinge o nosso sistema nervoso central o que caracteriza os sintomas de embriaguez (sensação de alegria ou excitação que pode ser seguida, em algumas vezes, de tristeza e depressão). O julgamento geralmente fica comprometido e a pessoa acaba perdendo a capacidade crítica, com momentos de ansiedade e variações de humor.

Vontade de fazer xixi

Depois de mais ou menos uma hora de que o consumo do álcool é iniciado, o organismo ativa o sistema de depuração que libera o hormônio antidiurético e por consequência aumenta a vontade de urinar. Como a pessoa está ingerindo álcool e não água, a desidratação acontece de forma mais rápida. O álcool provoca uma perda de líquido maior do que é esperado pelo organismo. A desidratação agrava todos os sintomas da ressaca. Quanto mais desidratado, maior a quantidade de substâncias tóxicas no sangue e maior o risco de problemas causados pelo uso contínuo do álcool.



Fonte: Extra



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

A ave com o canto mais alto do mundo é brasileira!

Leia Mais